Cláudia Botelho assume Prefeitura em estado de calamidade

A Primeira semana de governo da prefeita eleita de Estiva Gerbi, Cláudia Botelho (PMDB), e de seus diretores não está sendo fácil. Ao chegarem a Prefeitura nesta segunda-feira, dia 2 de janeiro, se depararam com vários problemas que foram relatados para a reportagem pelo Chefe de Gabinete, Rogério Bassani.

Segundo Bassani a Prefeitura foi encontrada pela atuação administração em um estado de calamidade. O primeiro grande problema encontrado foi que todos os computadores da Prefeitura foram formatados e não existe nenhum arquivo salvo referente a gestão do município dos últimos quatros anos, toda a estrutura de tecnologia e processamento de dados não estavam funcionando.

“Chegamos aqui e não havia sistema, nem servidor, nem internet, cabos de redes foram cortados, encontramos um sala com computadores sucateados empilhados, uma caixa com discos rígidos todos formatados, uma verdadeira desordem”, disse o chefe de gabinete e ainda completou “A sensação é que a Prefeitura já estava abandonada há muito tempo”.

Agora uma equipe de informática já foi acionada para tentar fazer uma restauração nos sistemas da Prefeitura, a fim de recuperar os arquivos formatados. “Ainda estamos fazendo o levantamento de todas as informações, pois ainda não tivemos acesso aos balanços das contas do município, mas será feita uma auditoria dentro da Prefeitura”, garantiu.

“Todas as irregularidades que forem encontradas pela auditoria e pela nossa equipe iremos, sem dúvida alguma, encaminhar ao Ministério Público para que sejam tomadas as medidas cabíveis”, destacou.

Ambulância
Os problemas já se iniciaram antes mesmo da cerimônia de posse. De acordo com Bassani no sábado, dia 31 de dezembro, o Pronto Socorro da cidade entrou em contato com a Cláudia pedindo ajuda para alugar uma ambulância, pois a única que estava em funcionamento havia quebrado.

“A Cláudia teve que resolver o problema antes mesmo de assumir, e o município tem três ambulâncias, mas todas sucateadas, a última inclusive foi conquistada em 2013, e está com a parte frontal destruída estacionada no pátio da Prefeitura”, explicou Bassani. “Para se ter uma ideia nem os lixos foram retirados e nenhum departamento tinha água potável para se beber, outro problema identificado é a parte elétrica do prédio que está deteriorada e temos que refazer”, pontuou.

Transição
Para o chefe de gabinete o que prejudicou a nova gestão e principalmente a população estivense foi a falta do governo de transição. “Protocolamos duas vezes o pedido de governo de transição junto a administração passada, mas ambos foram rejeitados”, afirma.

A falta de transição e de transparência segundo Bassani acabou prejudicando o bom andamento da administração da cidade. “O objetivo do governo de transição é justamente dar continuidade na administração e não deixar faltar recursos básicos para Saúde, Educação e suplementos”, explica.

Veículos 
Os veículos utilizados pela administração municipal também foram encontrados em mal estado de conservação. Segundo Bassani alguns veículos estão faltando peças, pneus ou com algum tipo de defeito. “Até sem o fornecimento de combustíveis nós estamos, pois a antiga gestão não renovou nenhum contrato que venceu no fim do mandato”, aponta.

Merenda e remédios
A merenda escolar também foi afetada com a troca de prefeitos, de acordo com o chefe de gabinete na dispensa não foi encontrado nem um quilo de açúcar. O fornecimento de medicamentos na rede pública de saúde também foi afetado, ocasionando na falta de alguns itens. “Devido a está situação encontrada vamos ter que fazer compras de forma emergencial para que a população de Estiva Gerbi não sofra ainda mais”.

Contas públicas
Devido a falta de transição de governo e a atual administração ter encontrado os computadores formatados, ainda não foi levantado como se encontra a situação financeira do município. Mas o chefe de gabinete acredita que a situação não é das melhores e que a folha de pagamento será apertada este mês, pois o recurso financeira será regrado. “Nesse primeiro momento a nossa iniciativa para poder sanar o básico dos problemas é enxugar a máquina pública”, afirmou.

Para realizar esse enxugamento a Prefeitura cortou as horas extras e fez o mínimo de nomeações para cargos comissionados. “Estamos fazendo o máximo possível para que haja um equilíbrio financeiro. Terá cargo de confiança que irá acumular duas funções, para economizarmos na mão de obra e diminuir despesas”.

Segundo Bassani cerca de 60% dos servidores públicos municipais estão com férias vencidas. “Nós temos a obrigação de dar essas férias, mas isso consequentemente irá desfalcar a nossa folha de pagamento, mas estamos fazendo um estudo para regularizar essa situação”, assegurou.

“A nossa estimativa que levará de um ano e meio a dois anos para que a cidade de Estiva Gerbi volte a caminhar”, concluiu o chefe de gabinete.

Gestão passada
A reportagem tentou contato com o ex-prefeito de Estiva Gerbi, Rafael Otávio Del Judice (DEM), para comentar sobre as declarações do atual chefe de gabinete, mas até o fechamento desta edição ele não foi encontrado.

  

Comentários