Gustavo Reis decretará estado de calamidade financeira em Jaguariúna

Gustavo Reis anunciou na segunda-feira, dia 16 de janeiro, que, diante da divida de R$ 70 milhões, a prefeitura de Jaguariúna declarará estado de calamidade financeira. O decreto deverá ser assinado ainda nesta semana.

O prefeito de Jaguariúna afirmou que medidas de cortes de gastos já começaram a ser tomadas, como a diminuição do número de secretarias em sua gestão. Também estão nos planos da administração cortes de comissionados e proibição de gastos de funcionários com celulares, refeição e viagens. Em seu discurso de posse, Gustavo reforçou que fará um governos de austeridade. “Cortaremos na própria carne para enfrentar esse momento de crise, a Prefeitura de Jaguariúna será obrigada a reduzir drasticamente o seu quadro de servidores. Nesse momento é necessário que todos nós façamos grandes sacrifícios”.

Atualização: 22/01/2017

Depois de herdar dívida de mais de R$ 70 milhões de reais, Gustavo Reis assinou na última quita-feira, 19, decreto para garantir a ordem das contas públicas do município

O Prefeito de Jaguariúna, Gustavo Reis, assinou no fim da tarde de quinta-feira, 19, o decreto de calamidade financeira, por conta da dívida de mais de R$ 70 milhões que a nova administração está tendo que enfrentar logo no início do mandato. “É um ato de responsabilidade com as finanças públicas. Com esse decreto, queremos ordenar e planejar os gastos de maneira criteriosa e prioritária”, afirmou o prefeito, ao lado da secretária de governo e finanças, Cristina Rossi Serra.

A secretária explicou que as contas estão em situação calamitosa e colocam em risco a capacidade do governo de manter serviços essenciais e de pagar despesas. “Esperamos que, com o respaldo da Justiça, retomemos o equilíbrio das contas para que não falte atendimento essencial à população”, disse Cristina.

Já o prefeito Gustavo Reis disse que vai investigar o que ficou pendente e estabelecer prioridades dos pagamentos. “Herdamos dívida com servidores, com os mais diferentes tipos de fornecedores, folha de pagamentos e isso é um absurdo. Vamos tentar ao máximo cumprir nosso dever com a população. Estamos trabalhando para colocar a casa em ordem e retomar uma agenda positiva de desenvolvimento”, afirmou o prefeito.

 

_mg_2877 _mg_2873

 

  

Comentários