Policia Civil de Santo Antônio de Posse prende suspeitos de homicídio em novembro de 2020

Em investigação a policia Civil de Santo Antônio de Posse na manhã desta sexta-feira, 07, prendeu os suspeitos de matar Marcel Lima Serreti, no dia 04 de novembro de 2020. Participaram da operação os investigadores Orlando e Marcos juntamente com o delegado Dr. Júlio Luís Garavello Gonçalves. As investigações tiveram inicio com o atual delegado de Pedreira, Dr. Alexandre Henrique Lima Silva.

Os suspeitos a princípio ficaram presos temporariamente por 30 dias, até o término das investigações que prosseguem com a oitiva de possíveis testemunhas. A operação chamada “Caça Fantasma”.

O Juiz da Comarca de Jaguariúna, após manifestação do Ministério Público, expediu mandados de prisão em desfavor de Michel, Filipe e Rafael, bem como a busca na residência de Filipe e Rafael.

Na quarta-feira, 05, os mandados de busca foram cumpridos, bem como realizada a prisão de Filipe e Michel. Filipe foi localizado em sua residência, já Michel foi localizado na cidade de Campinas, onde estaria residindo com um primo, que até o momento, segundo informações repassadas por ele, desconhecia o envolvimento de Michel com o tráfico e com o homicídio de Marcel. Já Rafael, não foi localizado, segundo informações dos familiares, estaria viajando a trabalho para o norte do país.

Após, busca foi identificado à rota realizada por Rafael, bem como o veículo utilizado, sendo as informações repassadas para a Polícia Rodoviária, que obteve êxito em localizá-lo trafegando por uma das rodovias do estado. Oportunidade em que foi preso em virtude do mandado de prisão que havia em seu desfavor esta sexta-feira.

Caso

Em 04 de novembro de 2020, por intermédio da irmã, foi elaborado Boletim de Ocorrência relatando que Marcel Lima Serreti estaria desaparecido desde o dia 01 daquele mês. Em diligências no sentido de localizar Marcel, foi apurado pelo Setor de Investigações que ele teria ido até a Prefeitura da cidade, onde permaneceu defronte a repartição durante alguns minutos e depois teria embarcado em um Fiat/Argo branco.

Após, na continuidade das diligências, foi possível acompanhar a trajetória do veículo por câmeras de comércios, e o último registro da imagem, foi defronte ao condomínio Monte Belo.

No dia 06 de novembro de 2020 chegou ao conhecimento desta Delegacia sobre um cadáver encontrado na zona rural da cidade, sendo na ocasião acionada a equipe da polícia técnica que realizou perícia no local e posteriormente o corpo foi removido ao IML de Mogi Guaçu, onde passou por exame necroscópico, que naquele momento, ainda não havia a sua identificação e já estava em estágio avançado de decomposição, já em estado esquelético. E em posterior análise no local, foram encontrados por Policiais Civis dois projéteis de arma de fogo próximos de onde o corpo havia sido encontrado.

No IML de Mogi Guaçu, foi possível extrair as falanges do cadáver (impressões digitais) que foram encaminhados ao Instituto de Identificação da polícia civil, o qual depois de alguns meses retornou com a identificação, confirmando ser Marcel Lima Serreti. Enquanto a confirmação não havia chegado, as diligências investigativas continuavam, já com a possibilidade de o corpo encontrado ser de Michel, visto que a compleição física do cadáver era semelhante com a do desaparecido.

Durante as investigações, foi identificado pelo setor de investigações desta Delegacia que o veículo Argo que aparecia nas filmagens seria de propriedade de uma moradora do bairro Ressaca, localizado próximo do encontro do cadáver, e após aprofundamento, tiveram a informação de que o veículo era utilizado por seu filho, Michel.

Diante da confirmação, fora representado para o Poder Judiciário um mandado de Busca e Apreensão do veículo e na residência de Michel, ocasião em que seu telefone celular também foi apreendido. Sendo o veículo apreendido e submetido à perícia técnica e o aparelho celular passou por um processo de extração de dados para perícia.

Na perícia técnica, foi identificado pelos peritos, com o auxílio de luminol e luzes forenses, alguns pontos de sangue e materiais de interesse pericial no exato local em que as imagens flagraram Marcel entrando no veículo. Sendo na ocasião coletados pela perícia materiais para confronto genético, sendo posteriormente o material encaminhado para o Núcleo de Biologia e Bioquímica do Instituto de Criminalística para confronto genético, e atualmente está aguardando resultado pericial.

Os dados extraídos do celular do investigado Michel foram analisados pelo Setor de Investigação, que apurou diversas conversas entre Michel e alguns amigos, entre eles Filipe e Rafael. Nas conversas entre os envolvidos, eles conversavam detalhes da morte de Marcel.

Após a analise de todas as conversas, o setor de investigação constatou que Michel, que utiliza a alcunha “FANTASMA” nos meios criminais, estaria se aventurando no tráfico de drogas e Marcel teria sido contratado por ele para a venda dos entorpecentes. Porém, durante as operações ilícitas, Marcel teria ido buscar uma quantidade de drogas para Michel e havia sumido com os entorpecentes e com o dinheiro de Michel, lhe causando raiva. Motivo este que levou Michel a ceifar a vida de Marcel juntamente com os amigos R.S e F.P.T, que também auxiliavam Michel na comercialização dos entorpecentes.

Atualização

Palavra do Delegado.

O auge do trabalho da Polícia Civil é quando há o esclarecimento de um crime, mormente quando tratamos de um delito gravíssimo, como o homicídio qualificado. O trabalho da Polícia Civil é complexo em um caso dessa natureza, envolve perícias do Instituto de Criminalística e do Instituto Médico Legal, investigações de campo, quebra de sigilos telefônicos, representação pela prisão dos suspeitos etc. E tudo isso só é possível com um trabalho em equipe. Na Polícia ninguém faz nada sozinho, todos trabalham em conjunto. As pressões da sociedade e da família da vítima são compreensíveis, mas é preciso entender que todos os trâmites policiais são morosos, demandam tempo, recursos materiais, que nem sempre estão à disposição de forma célere.

Para a elucidação de um caso desse jaez a Polícia precisa trabalhar em silêncio, no intuito do esclarecimento do fato criminoso, que é a função precípua da polícia investigativa. Por fim, não poderia deixar de fazer menção e agradecer às Guardas Municipais de Santo Antônio de Posse e Campinas, a toda minha equipe da Delegacia de Santo Antônio de Posse e a todos os policiais civis de Pedreira que nos auxiliaram no cumprimento dos mandados de prisão e busca e apreensão nas residências dos investigados, sem os quais não seria possível prender os criminosos. Fica aqui os meus mais sinceros agradecimentos e gratidão.

Dr. Júlio Luís Garavello Gonçalves – Delegado de Polícia de Santo Antônio de Posse

  

Comentários