Sorgo é capaz de reduzir custos na ração e controlar parasitos em tambaqui

Os resultados com o sorgo de alto tanino indicam redução de parasitos responsáveis por problemas que afetam a criação e a produção na piscicultura

 

 

Resultados de pesquisa realizada na Embrapa Amazônia Ocidental (AM) indicam que a inclusão de 40% de sorgo de baixo tanino na alimentação tornou a ração para tambaqui (Colossoma macropomum) mais econômica, sem comprometer o crescimento dos peixes. Esse estudo ainda mostrou que a ração com o sorgo de alto tanino propiciou significativa redução e controle dos parasitos que afetam a criação desse peixe. O objetivo da pesquisa foi reduzir os custos da ração e controlar os parasitas que afetam a criação do tambaqui, a espécie nativa mais produzida em piscicultura no Brasil.

Na avaliação das rações experimentais, os resultados com o sorgo de alto tanino indicam redução de 44% de acantocéfalos e de 83% dos monogeneas. Esses parasitos representam importantes problemas que afetam a criação e reduzem a produção na piscicultura. “Os valores obtidos na pesquisa são considerados promissores para a busca de ingredientes que associem a nutrição e sanidade de peixes, sem o uso de químicos e sem comprometer a qualidade do pescado”, declara a pesquisadora Cheila Boijink, da Embrapa, que desenvolve pesquisas em sanidade de peixes e coordenou o estudo por meio do projeto “Avaliação de taninos em dietas para juvenis de tambaqui no controle de helmintos e desempenho zootécnico”.

O projeto de pesquisa foi realizado de 2019 a 2021, com apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). No estudo foram avaliados taninos na forma hidrolisável (ácido tânico) e condensado (sorgo de alto tanino), com o intuito de identificar se eles possuem ação anti-helmíntica e não prejudicam a aceitação e o desempenho zootécnico dos animais.

 

Produto natural antiparasitário

O uso de fontes vegetais na alimentação de peixes tem aumentado nos últimos anos, a fim de atender à demanda por rações e sustentar o desenvolvimento da produção aquícola. Uma das alternativas é o uso de compostos derivados de plantas, devido ao pouco ou nenhum efeito colateral nos peixes e ao meio ambiente e que é uma prática agrícola mais sustentável. Os produtos naturais, com conhecida propriedade antiparasitária, são considerados uma alternativa potencial, e entre esses compostos está o tanino, presente em várias plantas como o sorgo.

De acordo com Boijink, os resultados obtidos mostram que os taninos são eficientes para o controle de helmintos, podendo ser utilizados na ração como um ingrediente alternativo natural, sem prejudicar o desempenho animal. Essa linha de pesquisa já vem sendo desenvolvida pelos pesquisadores da Embrapa Amazônia Ocidental, os quais anteriormente comprovaram que outra fonte de tanino, os resíduos da bananeira, também é eficiente no controle de helmintos em tambaqui.

Em busca de ingredientes alternativos

Como a alimentação dos peixes na piscicultura corresponde a cerca de 70% dos custos totais de produção, pesquisas da Embrapa Amazônia Ocidental têm buscado alternativas com base na avaliação de ingredientes não convencionais no estado do Amazonas que possam reduzir o custo da ração para o tambaqui. “Com uma alimentação mais econômica, ao fim do ciclo, os custos serão inferiores aos de uma produção com o uso de rações convencionais que utilizam como base o farelo de soja e o milho, commodities que possuem alta oscilação de valor no mercado internacional. Além disso, o Amazonas obtém parte significativa de ingredientes e rações dos estados vizinhos, o que onera ainda mais o piscicultor amazonense, que paga pelo custo logístico desta obtenção”, explica o pesquisador Jony Dairiki, da Embrapa, que atua em Nutrição e Alimentação de espécies aquícolas da Amazônia, e participou da pesquisa.

Dairiki observa que o sorgo (Sorghum bicolor) é um ingrediente energético de origem vegetal, com composição semelhante ao milho, porém, é um alimento com menor custo de produção se comparado ao milho. Por isso, o sorgo foi escolhido para avaliação como uma opção de matéria-prima, considerando que o custo da ração poderia ser menor com a maior inclusão de sorgo na dieta dos peixes.

O pesquisador informa que o sorgo se destaca pela sua rusticidade, possibilidade de cultivo na entressafra e em solos mais pobres em fertilidade e com déficit hídrico. A planta de sorgo produz grãos e matéria seca para composição de forragem que contribuem na alimentação animal, e o tanino é uma substância química natural do grão de sorgo.

A pesquisa identificou que a utilização de sorgo de baixo tanino para nutrição de juvenis de tambaqui em substituição ao milho propiciou uma redução de 27,4% no custo da alimentação quando o nível de inclusão desse ingrediente foi de 40%.

Outro dado importante é que o sorgo de alto tanino pode ser utilizado em dietas para tambaquis em até 45% de inclusão na formulação, sem nenhum efeito adverso ao desempenho animal, em um período de até 45 dias. Os pesquisadores acrescentam que estudos posteriores com animais para engorda e com maior período experimental precisam ser realizados para complementaridade da pesquisa, além da importante validação em pisciculturas locais.

Parasitos causam prejuízos econômicos na criação de tambaqui

Especializada em sanidade de peixes, Boijink explica a diferença entre monogeneas e acantocéfalos e como eles afetam o tambaqui. “É importante salientar que, apesar de haver uma transmissão desses parasitas entre os peixes infestados, essas parasitoses não impõem qualquer risco à saúde humana”, esclarece.

Os monogeneas são ectoparasitas (parasitas externos) que se fixam principalmente nas brânquias e podem provocar uma hipersecreção de muco que prejudica a respiração dos animais. Por possuírem um ciclo de vida direto e curto, as reinfecções podem ser rotineiras nos tanques de piscicultura.

Grandes infestações ocasionam alta produção de muco, destruição do epitélio branquial e ruptura de capilares sanguíneos, causando dificuldades respiratórias, sinal que pode ser confundido com o comportamento do peixe em baixas concentrações de oxigênio na água. Os peixes podem apresentar perda de peso e as lesões também se tornam porta de entrada para infecções secundárias de bactérias e fungos.

Já os acantocéfalos são endoparasitas (parasitas internos) e se fixam na parede intestinal. Os efeitos do parasitismo na produção de tambaqui dependem da intensidade da infestação e do estado fisiológico e nutricional dos animais. Grandes infestações podem resultar em necroses e ulcerações no epitélio intestinal, prejudicando a absorção de nutrientes; consequentemente, os animais apresentam perda de peso e se tornam mais susceptíveis ao manejo, aos parasitos e patógenos e a qualquer alteração na qualidade da água. A consequência é o atraso no crescimento, redução no desempenho zootécnico e alguns animais mais debilitados podem morrer, o que acarreta perdas econômicas.

 

Tratamento

Para ambos os parasitas, monogeneas ou acantocéfalos, o tratamento pode ser profilático ou terapêutico, conforme Boijink. O ideal são os tratamentos profiláticos, que adotam um conjunto de precauções para evitar a doença. Porém, devido a vários fatores, muitas vezes acabam ocorrendo infestações, que requerem terapias com o uso de substâncias químicas, que podem gerar deposição de resíduos na natureza. “O uso constante desses químicos pode levar à redução da eficácia causada pela resistência desenvolvida no parasita e, muitas vezes, eles são onerosos”, explica.

Em função de efeitos colaterais indesejados causados pelos quimioterápicos, tais como redução da eficácia causada pela resistência desenvolvida no parasita, riscos de intoxicação aos consumidores e a poluição nos mananciais de água, o uso de fitoterápicos tem sido uma alternativa viável para o controle dos parasitas.

 

Prevenção

Segundo os pesquisadores, para prevenir esses problemas na piscicultura é recomendável adotar boas práticas como adquirir alevinos de qualidade, realizar quarentena, monitorar a qualidade da água, fornecer ração de qualidade em quantidades adequadas e usar equipamentos adequados e higienizados.

Outro indicativo que ajuda a detectar possíveis problemas ainda no início é a observação rotineira da resposta alimentar, pois a redução no consumo de alimento é a primeira resposta dos peixes a uma condição de estresse, podendo ser motivada pela inadequada qualidade de água ou início de uma doença. Também é necessário observar a presença de alterações no comportamento ou sinais clínicos externos, tais como coloração anormal, excessiva produção de muco, entre outros, como formas de identificação dos problemas numa fase inicial, o que facilita o tratamento dos animais.

  

Comentários