Atuação permanente junto ao Estado e União garantiu conquistas para Mogi Guaçu

Só em recursos para recapeamento asfáltico de vias foram R$ 7 milhões. Mas, os recursos obtidos junto ao Governo do Estado foram muito superiores a esse montante. Fruto, em praticamente sua totalidade, de contatos e incursões frequentes do prefeito Walter Caveanha junto a órgãos governamentais. “Os municípios enfrentam grandes dificuldades, com sua capacidade de investimento sensivelmente reduzida. Isso impõe a busca de fontes governamentais para suprir a carência”, explica.

conquistas-prefeitoNa gestão que se encerra em pouco mais de um mês, Caveanha empreendeu verdadeira maratona de viagens e visitas a gabinetes oficiais de São Paulo e de Brasília. “A presença e o contato pessoal são fundamentais”, observa. Particularmente no caso do estado de São Paulo, com seus mais de 600 municípios e um território, com 248.209 quilômetros quadrados, a “concorrência” é muito grande. São centenas de prefeitos com suas carências e seus problemas específicos, batendo às portas do governo.

Durante os últimos três anos e 10 meses, praticamente uma vez por semana o prefeito Walter Caveanha se deslocou à capital do estado, reivindicando e acelerando o andamento de processos com vistas à obtenção de recursos e melhorias para a cidade. “É preciso perseverar. Nem sempre o ‘sim’ é imediato. Mas, em caso algum, desistimos ante a primeira dificuldade”, relata. Com o governador Geraldo Alckmin foram inúmeras audiências.

Todavia, adverte Caveanha, não basta a presença sistemática. “Os governos não liberam recursos sem que estes sejam apoiados em projetos bem estruturados”, prossegue. Assim, não basta a evidência da necessidade, mas é imprescindível demonstrar tecnicamente que os projetos estão bem fundamentados. “Disso, por sinal, a nossa equipe de trabalho cuidou muito bem, foi muito competente na preparação da documentação necessária a demonstrar a viabilidade das propostas”, salienta o prefeito.

Foi com esses procedimentos que se viabilizaram o Centro Dia do Idoso, verbas complementares para projetos habitacionais e a instalação do Poupa Tempo. Desse mesmo modo se materializaram a conquista de ônibus escolares e ambulâncias e a obtenção da verba para a aquisição de um novo caminhão compactador de lixo, entre tantas outros benefícios de interesse da população.

Em resumo, os fatos deixam patente que o prefeito não pode se manter em permanente confinamento no gabinete. “É preciso estabelecer um equilíbrio entre a atividade administrativa diária e o exercício do papel de embaixador da cidade”, defende Walter Caveanha. Essa conduta não vai mudar na próxima gestão, que começa de 1º de janeiro de 2017. “É parte do nosso papel de administrador”, argumenta o prefeito. “Há projetos já protocolados, em fase de tramitação no Estado e na União. Vamos tentar acelerá-los”, encerra.

 

  

Comentários