Bayer celebra 60 anos em Paulínia e contribui com inovações sustentáveis

A unidade é extremamente importante para a região e impulsiona inovações do campo em direção a soluções personalizadas para cultivos e ambientes mais saudáveis

A Bayer, organização global com competências centrais nas áreas da saúde e nutrição, está comemorando 60 anos de atuação em Paulínia (SP), no mesmo ano em que a empresa celebra 125 anos de atuação no Brasil. Criado com o propósito de conduzir estudos para proteção de cultivos agrícolas a partir de inovações sustentáveis, o Centro de Pesquisa e Inovação da Bayer foi estrategicamente instalado na cidade, em uma área de aproximadamente 90 hectares, equivalente a 126 campos de futebol.

A região não poderia ser mais apropriada: tem um clima privilegiado que permite estudos com as principais culturas agrícolas, como soja, milho, cana-de-açúcar, algodão, citros e trigo, durante todo o ano. Anualmente, recebemos mais de 150 moléculas da nossa matriz alemã para o desenvolvimento de novos defensivos agrícolas. Essas moléculas podem gerar novos produtos para o Brasil ou mesmo para outros países ao redor do mundo, após uma série de rigorosos procedimentos e regulamentações locais. É neste centro onde se tem início todo o processo das inovações da Bayer. Por isso ficamos muito felizes com essa celebração“, afirma Siegfrid Baumann, gerente do Site Paulínia.

Para chegar aonde se encontra hoje, a história da unidade começou no início da década de 60, já com demandas para melhorar o sistema produtivo de cana-de-açúcar, matéria-prima para produção de álcool utilizado nos processos fabris. A empresa belga Rhodia tomou a decisão de investir em profissionais e num espaço destinado à pesquisa. Nascia, então, em 1961, a Estação Agrícola Experimental, primeira instituição de pesquisa dessa modalidade no país. 

Outras culturas, produtos e demandas surgiram ao longo dos anos, juntamente com transformações políticas e a expansão das fronteiras agrícolas no Brasil. Em 2002, vivendo um momento de muitas movimentações, fusões e compras entre as empresas do segmento, a Bayer, que também participava dessas mudanças e sempre teve grande foco no crescimento e na produção de alimentos, adquiriu o local, quando se instituiu a Estação Experimental Agrícola Bayer.

Inovação sustentável

A missão da companhia na região é impulsionar inovações do campo em direção a soluções personalizadas para cultivos e ambientes mais saudáveis, beneficiando clientes, consumidores e a sociedade em geral. Atualmente, realizamos entre 350 e 500 ensaios de desenvolvimento de produtos e soluções com foco em fungicidas, herbicidas, inseticidas, nematicidas, produtos biológicos e produtos para tratamento de sementes, no campo e em casas de vegetação.

O site de pesquisa é dividido em cinco áreas: Field Solutions com atividades voltadas para Pesquisa e Desenvolvimento em Proteção de Cultivos; Segurança de Produto, área responsável pelos trabalhos que irão suportar o registro dos produtos no Brasil; Bayer SeedGrowth™ Center, que atua focado em estudos voltados para tratamento de sementes; Centro de Tecnologia de Aplicação e Saúde Ambiental. Os times atuam no gerenciamento do ciclo de vida do portfolio de produtos da Bayer Crop Science, buscando inovações para prolongar, de forma sustentável, o uso de tecnologias para o controle dos principais problemas que afetam as lavouras brasileiras. Atualmente, cerca de 140 colaboradores atuam na planta.

Nosso plano considera o desenvolvimento constante de parcerias com instituições locais visando a colaboração a partir de ações como projetos incentivados, iniciativas relacionadas à sustentabilidade, iniciativas digitais, otimização do consumo de água e energia elétrica de fontes renováveis, além da modernização dos processos para tratamento de esgoto e resíduos químicos, ampliação de área de reserva legal, preservação da fauna e flora locais, otimização dos processos de campo, crédito de carbono e muito mais. Temos muito para celebrar e estamos prontos para o futuro!”, conclui Siegfrid Baumann, gerente do Site Paulínia.

  

Comentários