Dívida de moradores de Estiva com o DAE chega a R$ 3 milhões

Praticamente à beira do colapso, o DAE – Departamento de Água de Esgoto de Estiva Gerbi divulgou que a dívida dos munícipes com o Departamento já superam R$ 3 milhões de reais. O valor devido corresponde à 10% da arrecadação anual da Prefeitura e vêm aumentando significativamente. Com isso a Prefeita Cláudia Botelho anunciou que o DAE fará o corte do fornecimento de água nos imóveis inadimplentes.

O sistema de abastecimento construído em 1980, pelo então Prefeito Walter Caveanha, tinha como prioridade, garantir o abastecimento por pelo menos 20 anos. Na época, ainda bairro de Mogi Guaçu, o sistema abastecia cerca de 3.000 mil pessoas. Hoje, 37 anos após a inauguração e praticamente sem nenhum tipo de investimento ou modernização, o mesmo sistema abastece mais de 12mil pessoas e encontra-se à beira do caos.

Bombas em estado de sucata, equipamentos velhos, tubulação antiga e de ferro, são alguns dos problemas enfrentados diariamente.

“Com a inadimplência, o DAE não consegue investir em melhorias no sistema. Há muito para se fazer, porém, a Prefeitura hoje não tem condições de arcar com gastos milionários para reverter a situação. Os moradores têm reclamado muito quanto a falta de água e isso acontece em função dos serviços de manutenção na rede e nos reservatórios que, com o crescimento da cidade, toda a estrutura de abastecimento precisa ser ampliada”, comentou a Prefeita Cláudia.

Na Câmara

Diante deste enorme problema, o Presidente da Câmara, José Silvio Abreu, divulgou que algumas audiências estão ocorrendo em São Paulo e também em Brasília, para tentar viabilizar ajuda ao município através de emendas parlamentares, ou seja, recursos estaduais ou federais.

“O problema da Água no município não é recente, e gestões anteriores foram omissas em não investir na modernização e ampliação do sistema. Leva-se um tempo para conseguir sanar o problema, e neste momento, só nos resta pedir paciência a população e que economizem água”, comentou José Silvio Abreu.

  

Comentários