Entrevista com o candidato a prefeito: Ricardo Cortez

Por: Alessandra de Souza

Na edição do jornal, desta sexta-feira (06), foi entrevistado o candidato a prefeito de Santo Antônio de Posse, José Ricardo Cortez, de 48 anos. Ricardo é natural de Itajubá, município de Minas Gerais, é empresário e formado em Direito, pela Faculdade Santa Lúcia. Mudou-se para a Posse, quando tinha apenas 8 anos de idade.
Ricardo é ex-chefe de gabinete e ex-presidente da Câmara Municipal da Posse, foi eleito vereador no ano de 2008, pelo PTB. Nas eleições desse ano, concorre pela primeira vez ao cargo de prefeito da Posse. O escolhido como vice, é o corretor de imóveis, Cristiano Vicençotti (PSDB), de 47 anos. O MDB faz parte da coligação “Unidos pela Posse”, composta pelos partidos PSDB, PSD, PDT, PTB, MDB.

Jornal: Qual sua história de vida no que se refere a sua atuação social (relacionamento com comunidade em geral) quando e em que nível já esteve ou está dedicando a alguma ação de interesse público?

Ricardo: Embora não goste de tratar desse assunto, pois tudo que é feito de coração de doação, não deve ser explorado. Cito apenas que eu e minha esposa, somos atuantes na missão religiosa, Pastorais e voluntários de entidades como Lar São Vicente, e durante algum tempo também na APAE. As famílias sabem.

Jornal: Quais as principais propostas da sua campanha eleitoral?

Ricardo: Água, saúde e emprego, essas são as urgências. Logicamente, que não me deixarei de agir em todas as outras áreas. Água, principalmente aumentar a reserva de água dos córregos e da chuva, construindo no mínimo 2 represas (Santa Bárbara e Marambaia), e ampliar a Estação de Tratamento. Saúde, criar o Complexo de Saúde, centralizando, melhorando e ampliando o atendimento aos munícipes e melhorando as condições de trabalho dos servidores. Além, é claro de reduzir os custos com locações. E emprego, retomar o trabalho que já fiz no passado, de ir atrás e trazer empresas para a cidade, utilizando principalmente o condomínio industrial já existente.

Jornal: Quais são as principais linhas programáticas do seu partido e seus valores éticos políticos?

Ricardo: Muita gente me conhece, e sabe que meu maior valor é ser temente a Deus e tê-lo no coração e nas minhas ações. Isso resume meu caráter, pois quem tem Deus no coração, não irá tomar decisões unilaterais, pensando em si próprio, ou uma decisão que prejudique alguém, com maldade, perseguição ou injustiça. Quanto à partido, meu partido é a Posse!

Jornal: Como considera os servidores públicos, sem os quais não é possível administrar e que relação pretende ter com eles?

Ricardo: Sem dúvida, impossível administrar sem a parceria de respeito com os servidores. Já vive com eles no passado, quando trabalhei em Posse de 2005 a 2008, uma história de cumplicidade, de lutar pelos direitos deles, mas também cobrá-los das responsabilidades perante a população. Não vai ser diferente, quero retomar essa parceria de sucesso.

Jornal: Como se posiciona em relação aos recorrentes escândalos nacionais de corrupção?

Ricardo: Totalmente abomino. Já vivi 15 anos, na administração pública e graças a Deus e pelos ensinamentos e valores que recebi da minha família, tenho e permanecerei ficha limpa. Além de não ter essa mancha, sempre vou combater essas práticas.

Jornal: De onde vem os recursos da sua campanha?

Ricardo: De forma legal, que a Justiça Eleitoral permite, parte minha pessoal, doações oficiais do Partido via FEFEC, de amigos e de simpatizantes. Arrecadações modestas, para subsidiar basicamente os materiais de divulgação do candidato a Prefeito e de seus candidatos a vereadores, tudo está disponível e declarado no ConsultaCandi.

Jornal: Caso seja eleito, como deseja administrar a cidade com a crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus?

Ricardo: Tenho fé em Deus, que logo iremos vencer essa pandemia, e o pós pandemia, vejo com euforia. É do ser humano, empresários fazer a engrenagem girar e gerar riquezas para si, o que gera emprego e renda para a população. Estou confiante na retomada econômica e principalmente na saúde de nossa população.

Jornal: Como foi feita a escolha de pré-candidato a Prefeito e Vice Prefeito por parte do partido/coligação? A escolha foi consensual?

Ricardo: No meu caso, postulante a Prefeito, uma decisão pessoal isolada, tinha condições profissionais, técnicas e um partido próprio (MDB), pois me preparei todos esses 15 anos para me tornar prefeito da minha cidade, vim focado. Me desliguei do meu emprego anterior que era Diretorias em Holambra e vim com a fé e a coragem. No caso do meu vice, somos amigos há muitos anos, atuantes, nós e nossas esposas em ações sociais que sempre trabalhamos juntos, além dele ser uma pessoa do bem, de família, trabalhadora, honesto e de Deus. Por sua vez, ele também tinha seu próprio partido e estavam sem candidato a prefeito. Foi dessa soma de valores, de bem querer, de boas intenções, para a melhoria das condições do povo de nossa cidade que nasceu essa parceria.

Jornal: Se confirmada sua eleição, quais serão as propostas concretas para as políticas públicas mais importantes na cidade, os recursos e as maneiras de implementá-las?

Ricardo: Entendo que as políticas públicas, elas são complementares, pois o principal é gerar oportunidade a cada cidadão, oportunidade de ter seu emprego e ser auto suficiente. Ninguém quer depender do poder público.Mas, ainda sim, para aquelas pessoas que precisam, o poder público na nossa gestão, irá atender as necessidades da população. Necessidades essas, sociais, de saúde, de educação, e formação, entre outras.

  

Comentários