Multinacional Syngenta realiza treinamento na Fazenda-Escola da UNIFEOB

Os estudantes de Engenharia Agronômica farão atividades similares

 

Nos dias 11 e 12, a estrutura da Fazenda-Escola da UNIFEOB foi usada pela multinacional agrícola Syngenta para a realização da Estação Conhecimento, evento de capacitação para 60 parceiros comerciais e representantes técnicos de vendas.

“Essa edição é focada nas culturas de batata e tomate”, relata o líder de Marketing da Syngenta, Rafael Pereira de Oliveira. “A localização de São João da Boa Vista é muito favorável por estar rodeada de culturas expressivas e a UNIFEOB caiu como uma luva pela estrutura que pode oferecer”.

Atividades similares serão estendidas aos universitários da instituição no futuro. “A Syngenta já se dispôs a fazer alguns dias de treinamento para nossos estudantes, demonstrando como é feito nas empresas”, conta o coordenador do curso de Engenharia Agronômica, José Rodolfo Brandi. Outros benefícios são as pesquisas e projetos que ligam os futuros engenheiros à parte operacional da agricultura.

“Mais do que isso, há o networking: estar diretamente ligado a companhias como essa, ao processo de seleção de vagas de estágio e de contratação para os formandos”, cita.

Parceria

A relação entre UNIFEOB e Syngenta já existe na área de grandes culturas, como soja, milho e amendoim.

“A parceria funciona através da utilização dos espaços da Fazenda-Escola para testes experimentais e tutorias da Syngenta para os estudantes”, explica José Rodolfo. Para Rafael, a ocasião favorece um estreitamento em outra área.

“A gente enxerga como uma grande oportunidade: além da estrutura, criar mais uma parceria com a UNIFEOB, agora no hortifrúti”.

Syngenta

Com sede na Suíça, trata-se de uma empresa global especializada em sementes e produtos químicos voltados para o agronegócio.

Está presente em mais de 90 países e promove biodiversidade, recuperação de terras à beira da degradação e revitalização de comunidades rurais. No Brasil, tem centros de pesquisa e estações experimentais nas principais regiões agrícolas.

 


Comentários