Organizada pela Prefeitura, Caminhada do Salvador leva centenas de participantes ao Morro do Cristo

Grupo de amigos se reúne anualmente para a Caminhada do Salvador. Na foto, Mateus Garcia, Luis Lisboa, José Oliveira, Henrique Santos, Vitor Lisboa e Vinícius Tanaka.)

Matéria: Paula Partyka com informações da Prefeitura.

A Caminhada Ecológica “Amigos do Salvador”, comemorou sua 20ª edição mantendo viva a tradição iniciada por seu criador, Salvador Martins Barbosa (in memoriam). Nas primeiras horas da sexta-feira Santa, 19, centenas de pessoas se reuniram e participaram do alongamento orientado por um professor de Educação Física, em meio a uma animação crescente.

A novidade dessa edição, é que o evento foi totalmente organizado pela Prefeitura de Jaguariúna, por meio da Secretaria de Juventude, Esporte e Lazer (SeJEL). A concentração começou às 3h da manhã, em frente à Igreja Matriz Nova, de onde os participantes iniciaram a jornada de 23 quilômetros às 4h. A maioria do percurso foi por estradas rurais, até a chegada ao Morro do Cristo, em Pedreira.

Os caminhantes receberam toda a estrutura necessária para completar o percurso, incluindo o apoio das Secretarias de Segurança Pública e de Saúde, que escalaram batedores da Polícia Municipal, ambulâncias e veículos de apoio para acompanha-los. Já o número de banheiros químicos (masculino e feminino) dobrou, assim como a quantidade de frutas e água disponíveis.

A prática esportiva saudável de uma caminhada e a fé que moveu seu fundador persiste até hoje e já faz parte do calendário anual de eventos de Jaguariúna. “A Caminhada do Salvador” terá nosso total apoio em 2020”, garante o titular da SeJEL, secretário Rafael da Silva Blanco, que fez o percurso acompanhado pelo prefeito Gustavo Reis e sua noiva Larissa Buschinelli.

Nas redes sociais, alguns munícipes “parabenizaram” os participantes da caminhada pela falta de respeito com o meio ambiente. De acordo com os comentários, e fotos que circularam, havia muitos copos de plásticos jogados no percurso.

“Quem vai limpar essa sujeira?
Precisam trocar o nome dessa caminhada.
Por pessoas mais consistentes que coloquem o copo no lixo, ou na mochila, em tempos de dengue”, lamentou Julliana Rol. A dona da publicação ainda acrescentou um pedido de desculpas aos que participaram e não jogaram lixo pelo caminho. “Mas é lamentavel pessoas que ainda fazem isso e não pensam no próximo”.

A filha do idealizador da caminhada, Sueli Barbosa, lamenta a falta de consciência de alguns. “Mesmo tendo a oportunidade de apreciar lindas paisagens pelo percurso não tiveram respeito com a natureza. Os organizadores da SeJel colocaram lixeiras com identificação em todo percurso e informações para conscientização. A SeJel também faz o recolhimento do lixo”, explica.

Para ela, a maioria dos participantes tem consciência e não se pode atribuir esses atos irresponsáveis a todos.  “Acredito que essas imagens serão úteis para os responsáveis de organização aprimorar ainda mais os seus bons trabalhos desenvolvidos”, conclui.

 


Comentários