Os Animais têm Alma? Eu entendo que sim!

Particularmente, acredito na existência da alma animal, ainda mais agora, com a descoberta da senciência dos animais, comprovada cientificamente e demonstrada  por Philip Low e sua laboriosa equipe de professores e doutores em neurociência, através de Conferência Internacional na Universidade de Cambridge, Reino Unido, em 2012.
É bem verdade que a Ciência não tem esta preocupação em comprovar a existência da alma seja humana ou animal.  Todavia, indiretamente, seus estudos somam aos estudos espiritualistas, pois se há consciência, há, inevitavelmente, algum outro substrato imaterial que faz o ser humano e animais agirem com consciência, independência e particularidades. E isso se chama Alma.   O assunto, até pouco tempo, limitava-se à crença religiosa e crença é diferente de Ciência.  Religião, neste específico caso, baseia-se em fatos empíricos e hermenêuticos, além da subjetividade, diferentemente de Ciência que analisa seus objetos de estudos, comprovando-os indiscutivelmente à luz do entendimento e fatos concretos.

E não é exclusividade de religiões, mas, de alguns filósofos que, nos mares da Antiguidade,  navegavam nestes difíceis  e extensos oceanos, sob a luz do que seja misterioso ou enigmático.   Pitágoras, desde os primórdios dos tempos ( 570/496 a.C. ) filósofo grego e matemático, entendia que tanto animais  humanos e não humanos têm alma, acreditando, inclusive, na metempsicose ou transmigração da mesma;  Aristóteles, discípulo de Platão  e professor de Alexandre O Grande( 384/ 322.C.), entendia que a alma ou princípio vital é parte integrante de todo ser vivo, desde plantas aos humanos e animais.  Inclusive, em seu livro Tratado da Alma, há um capítulo que disserta sobre o assunto, com  singular didática e proficiência inigualável.       &nb sp;

Em um de seus capítulos asseverou que  ” os seres humanos não são os únicos  que possuem alma ou psiquê.  Todos os seres vivos a possuem, desde as margaridas aos moluscos”.  Acrescento também que está comprovado fiducialmente  via  estudos neurocientíficos que os animais sonham como todos nós. Portanto, eles possuem todos oa substratos e  peculiaridades formadoras da mente, como a dos  humanos. Não há mais dúvidas sobre isso!

À luz destas palavras, eu, Gilberto Pinheiro, acredito sim na existência da alma animal, ancorado no entendimento que se nós humanos somos seres sencientes e dotados de alma, por que os animais não seriam?    Há relatos através de livros espíritas e espiritualistas destacando e relativizando  o assunto, embora, empiricamente.  O hinduísmo vai mais longe:  acredita na metempsicose ou transmigração da alma humana para o corpo de um animal, exatamente, pelo fato de que são subjugados às idiossincrasias humanas, maus-tratos e somente espíritos mais evoluídos suportariam tais adversidades.  Deixo claro que isso é pensamento hinduísta e, particularmente, não penso assim. O espírita acredita na evolução da alma, migrando nos reinos mineral, vegetal e animal, chegando à espécie humana.

Também, não creio nesta possibilidade embora respeite quem acredite. Cada ser vivo tem suas peculiaridades próprias e indivisíveis e não tem sentido, por exemplo, a alma de um cão, um dia evoluir e animar um corpo humano. Seria um retrocesso, pois esbarraria indubitavelmente no antropocentrismo, especismo, fatos descartáveis no terceiro milênio, onde acredita-se mais coerentemente no biocentrismo ou a vida como um todo.   Somos, na verdade, partes integrantes de uma totalidade e não o todo especial e diferenciado.

Afirmo e reafirmo que os animais possuem as mesmas peculiaridades cognitivas que os humanos possuem.  Os proficientes estudos neurocientíficos de Philip Low e sua laboriosa equipe de pesquisadores e neurocientistas confirmaram que os animais possuem os substratos neuroanatômicos, neurofisiológicos e neuroquímicos formadores da consciência, exatamente o mesmo que ocorre com a espécie humana. E se acreditamos na existência da alma humana, por que não iríamos acreditar na existência da alma animal, possuindo eles as mesmas peculiaridades cognitivas e os mesmos substratos formadores da consciência  que nós possuímos?  De repente, sem querer e sem ter o objetivo de provar a existência da alma animal por parte da Ciência, como eu afirmara acima,  a neurociência subsidiou os estudos espiritualistas neste sentido e, assim, posso afirmar peremptoriamente que os a nimais têm alma como todos nós. É apenas questão de lógica e, consequentemente, bom senso.

Para concluir, comprovou-se  que animais sentem medo quando veem seus pares indo para a morte.  Neste instante de sofrimento, o organismo deles secreta uma substância de nome atípico e que era próprio somente da espécie humana :  hormônio liberador de corticotrofina, o mesmo  encontrado em pessoas que sofrem de estresse profundo e até depressão.  Isso caracteriza a consciência e, sendo assim, peculiaridade formadora da alma humana. E se os animais também respondem dessa forma semelhante a humana sob as mesmas condições de adversidade, podemos, irremediavelmente, concluir que, eles têm alma.
– Eu penso assim!

Gilberto Pinheiro
jornalista, palestrante em escolas,  universidades,
consultor da Comissão de Proteção e Defesa dos Animais
da Ordem dos Advogados, seccional RJ e ex-articulista
do site da AMAERJ – Associação dos Magistrados do Estado
do Rio de Janeiro.
interior de SP, destacando a senciência e direitos dos animais. 

Somos o coração, a alma, a voz dos animais

 


Comentários