Prefeito se reúne com protetores de animais para definir estratégias e novas ações

A causa animal foi pauta de reunião nesta terça-feira, dia 17 de maio, no gabinete do prefeito Rodrigo Falsetti. Ele recebeu representantes de Organizações Não Governamentais (ONGs), entidades e protetores independentes, além de secretários municipais. Diversos temas foram discutidos, como reforma do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), castração, animais de grande porte, fiscalização contra os maus-tratos, microchipagem e vacinação contra a raiva.

A principal notícia foi de que a reforma da sede do Zoonoses, no Jardim Alvorada, irá acontecer ainda esse ano, com processo licitatório para a escolha da empresa já em andamento. Houve, segundo ele, atraso no trâmite por falta de interessados nas duas primeiras chamadas publicadas. “Nesses um ano e cinco meses encontramos muitas dificuldades, muitos desafios e uma pandemia para enfrentar. A causa animal está entre nossas prioridades e a reforma da Zoonoses está confirmada para esse ano”, comentou o prefeito.

O chefe do Executivo lembrou ainda da instalação de contêiner do consultório veterinário público do Programa Meu Pet, uma parceria com o Governo do Estado de São Paulo. A cidade foi contemplada em dezembro do ano passado e todo o custeio será do município. A estrutura será instalada entre o cruzamento da Rua Bauru com a Avenida Rita Aparecida Rodrigues, no Jardim da Lagoa. “Estamos aguardando apenas a instalação, pelo Estado, pois nós fizemos toda a nossa parte, inclusive a preparação da área que receberá o contêiner”, disse.

O prefeito confirmou também a realização de chamamento público para a realização de 1.000 castrações esse ano, além das que são feitas pela equipe da Zoonoses. Para 2023 estão previstas 5.000 castrações com microchipagem. Além disso, Rodrigo se comprometeu em conseguir recursos junto à iniciativa privada para a compra de vacina importada para aplicação, ainda este ano, nos animais abrigados no CCZ. Depois, a Prefeitura irá providenciar a compra da medicação, pois trata-se de uma vacinação anual.

A Zoonoses abriga cerca de 120 animais e a gerente Dagmar do Amaral Borges informou que entre março e dezembro do ano passado 353 castrações foram feitas. Até abril desse ano foram 315. “Pelo que a gente encontrou, na Zoonoses os avanços são notórios. Temos uma estrutura melhor e estamos fazendo os procedimentos”, comentou Dagmar ao afirmar que a reforma da sede irá contribuir com o reforço do trabalho. “Antes a Zoonoses não fazia castração. A gente tem conseguido atender os animais que lá chegam”.

Outro assunto discutido durante a reunião foi a presença de animais de grande porte na Zona Urbana. De acordo com o Artigo 340 da Lei nº 1.037, de 26 de dezembro de 1973, é expressamente vedada a criação, no perímetro urbano da cidade, de bovinos, caprinos e ovinos. “A gente sabe que esse é um problema que vem se arrastando há anos, principalmente a questão dos animais soltos na área urbana. Nós vamos dar uma olhada na legislação e verificar o que podemos alterar”, destacou o prefeito, que também ficou de estudar como o município pode contribuir para a realização de um Pet Censo com o objetivo de quantificar os animais existentes e definir políticas públicas para o tema.

“Você é o único prefeito que está tendo um olhar para a causa animal. Então, estamos apostando nossas fichas em você e na sua equipe”, enfatizou a vice-presidente da Kapa Kamael – Associação Protetora de Animais, Valdirene de Souza Floriano, que solicitou reforço das Secretarias Municipais no trabalho de fiscalização dos casos de maus-tratos. Os casos terão apoio dos fiscais da Secretaria de Serviços Municipais (SSM) e da Guarda Civil Municipal.

Além dos representantes da Kapa e do Anjos de Focinho, participaram da reunião protetores independentes e os secretários Kelly Cristina Camilotti Cavalheiro (Administração), Benito Aiello Júnior (SSM), Marcelo Sartori (SAAMA), o chefe de Gabinete, Ruben Coimbra Novaes, e a gerente da Zoonoses, Dagmar do Amaral Borges.

  

Comentários