Saúde de Jaguariúna revela redução e filas zeradas para exames na rede municipal

A Central de Regulação do Acesso a vagas na rede municipal de saúde de Jaguariúna, mantida pela Secretaria de Saúde, revelou que o trabalho desenvolvido na atual gestão conseguiu zerar a fila de espera em 11 tipos de exames, o que permite agora qualificar as filas através da classificação de risco com priorização clínica, agilizando o atendimento e buscando garantir a equidade.

A lista dos exames ‘zerados’ inclui colonoscopia (eram 150), holter 24 horas (47), monitorização ambulatorial da pressão arterial (Mapa, 23), teste ergométrico (125), eletroencefalograma (78), densitometria óssea (87), potencial evocado auditivo do tronco encefálico (Bera, 8), fotocoagulação a laser (13), capsulotomia a yag laser (8) e topografia ocular (9).

De acordo com a secretária de Saúde, Maria do Carmo de Oliveira Pelisão, por meio de um trabalho sério e comprometido com o bom atendimento a Central de Regulação tem conseguido gerenciar com eficiência as filas, buscando a atualização cadastral dos usuários que aguardavam a realização de exames. “É importante lembrar que a Central de Regulação teve seu projeto idealizado e implantado em 2011, na gestão anterior do atual prefeito, e hoje podemos comemorar esses resultados”, destaca.

Avanços

Conforme a enfermeira Andresa de Sousa Lima Privatti (de azul na foto), da Central de Regulação do Acesso, uma checagem detalhada indicou que alguns usuários não tinham mais interesse na realização de alguns exames e optaram por cancelar os que haviam marcado. Já com outros usuários não houve possibilidade de contato telefônico, devido a desatualização do número dado como referência. Segundo Andresa Privatti, foi possível constatar ainda que a grande maioria dos usuários faz o agendamento do exame solicitado e tem suas necessidades de saúde atendidas.

Os exames podem ser agendados através de ofertas do sistema da Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde do Estado de São Paulo (CROSS), ou pelo sistema ‘Sol Online’, do município de Campinas, que tem como base legal a Pactuação Programada Integrada (PPI). Outra opção apresentada pela Prefeitura para facilitar a realização de exames preventivos ou recomendados pelos médicos é o processo licitatório, que utiliza recursos financeiros do município para a compra de exames em outras cidades.

“Temos ainda outros exames que tiveram sua fila consideravelmente reduzida, como é o caso da ressonância magnética, onde, nesses cinco meses 222 usuários tiverem suas demandas resolvidas”, revela a secretária de Saúde Maria do Carmo. Ainda segundo ela, o mesmo aconteceu com a eletroneuromiografia, que registrou 291 usuários avaliados e resolvidos, o que permitiu que a demanda, reprimida desde 2013, também fosse zerada.

Além disso, alguns procedimentos cirúrgicos de especialidades que demandam atendimento em serviços de maior complexidade também tiveram suas filas zeradas. Um exemplo disso são as cirurgias de catarata e as ginecológicas (sling). Outro ambulatório da saúde de Jaguariúna não registra demanda reprimida é o de urologia litotripsia. De acordo com a Secretaria municipal de Saúde, nesses primeiros cinco meses do ano também foram atendidos todos os usuários que precisaram utilizar o aparelho de amplificação sonora individual (AASI), mais conhecido como aparelho auditivo.

Matéria: ASCOM/ Fotos: Samuel Oliveira/PMJ

  

Comentários