Secretária diz que vacina contra febre amarela é só para quem irá deixar a cidade

as últimas semanas tem se visto uma corrida aos postos de saúde para se vacinar contra a febre amarela, esse medo aumentou depois que um surto da doença foi registrada em Minas Gerais. No último boletim divulgado pela Secretária de Estado da Saúde de Minas Gerais, na sexta-feira, dia 20 de janeiro, contabilizava 71 mortes suspeitas, sendo 25 confirmadas no Estado e 272 casos notificados de febre amarela.

Mas a secretária municipal de Saúde, Clara Alice Franco de Almeida Carvalho, reforçou que a vacina contra a febre amarela é indicada para pessoas que moram ou viajam para áreas de transmissão endêmica, como matas, áreas silvestres ou locais com casos confirmados ou suspeitos.
“Quem irá ficar na cidade não tem necessidade de se vacinar, até porque não tem caso de febre amarela na região, a vacina é para as pessoas da zona rural e quem irá viajar para áreas de risco”, explicou a secretária.

Os bebês guaçuanos estão protegidos, isso porque todas as crianças com 9 meses já recebem uma dose da vacina. “Fazemos a aplicação nos bebês de 9 meses já como forma de prevenção”, garante a secretária.

Segundo Clara os postos de saúde de Mogi Guaçu nas últimas duas semanas tiveram um aumento na procura da vacina. “Mas nesta semana a situação já se regularizou”, apontou.

De acordo com Clara quem já recebeu duas doses da vacina não precisa mais de imunização. A secretária ainda reforça que a vacina pode gerar reações adversas em alguns grupos. “As pessoas tem que tomar cuidado, não podem sair tomando vacinas, principalmente quem tiver com imunidade baixa”, alerta.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não recomenda a vacina para pessoas com doenças como lúpus, câncer e HIV, devido à baixa imunidade, nem para quem tem mais de 60 anos, grávidas e alérgicos a gelatina e ovo.

Campanha Zona Rural

Segundo Clara a Secretaria de Saúde vai começar uma campanha para vacinar contra a febre amarela moradores da zona rural do município. “Como os casos da doença surgem nas zonas rurais, próximos a rios e lagoas, nós iremos fazer uma campanha na zona rural, já solicitamos as doses das vacinas”.

De acordo com a secretária a produção da vacina é nacional e é encaminha aos estados e municípios pelo Ministério da Saúde. Mas Clara admite que a produção nos últimos tempos foi reduzida.

O Ministério da Saúde informou que todos os estados estão abastecidos com a vacina e o país tem estoque suficiente para atender toda a população nas situações recomendadas

Sintomas
A doença se torna aparente de três a seis dias após a infecção, de acordo com o Ministério da Saúde. Os sintomas iniciais são febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. A maior parte das pessoas apresenta uma melhora após tais sintomas. Cerca de 20% a 40% das pessoas que desenvolvem a versão mais grave da doença (15% do total de infectados) podem morrer.

Casos
A cidade de Américo Brasiliense (SP) registrou a primeira morte por febre amarela na região. A causa da morte foi confirmada nesta segunda-feira, 23, pela Vigilância Epidemiológica do município e pela Secretaria de Saúde de São Paulo, que afirma se tratar de um caso autóctone, tendo a doença sido contraída no próprio estado.

Além da morte confirmada nesta segunda, o governo estadual investiga outros três óbitos, todos no capital. Também apura outros dois casos da doença nos quais os pacientes estão em recuperação. Nesses casos, as vítimas viajaram para Minas Gerais, o que indica que a transmissão tenha ocorrido fora do Estado de São Paulo.

febre-amarela

  

Comentários