Veterinária alerta sobre riscos da raiva e importância da vacina anual

Matéria: Paula Partyka

 A raiva é um vírus, doença que pode ser transmitida dos animais para o homem, quase erradicada atualmente, mas, mesmo assim, muito temida. Isso porque a taxa de mortalidade da doença, que atinge apenas mamíferos, é de quase 100%.  Os principais transmissores são os animais silvestres, como morcegos, gambás e macacos, que contaminam cachorros, gatos e humanos de forma acidental.  O contágio ocorre por meio da troca de secreções, contato sanguíneo ou mordida. Nos cachorros essa doença é conhecida como raiva canina.

É uma doença infecciosa causada pelo vírus Lyssavirus, da família Rhabdoviridae, que provoca encefalite comprometendo o sistema nervoso central. De acordo com a Médica Veterinária, Lethicia Ohara, a raiva tem evolução rápida e fatal em quase 100% dos casos. “Temos relatos de dois casos de cura, 2004 uma americana e um brasileiro em 2008 em Recife, porém o mesmo ficou com sequelas neurológicas graves e irreversíveis, mas, de modo geral, é praticamente fatal”.

Lethicia explica que a raiva é de grande importância em saúde publica, pois é uma zoonose, ou seja, doença que pode ser transmitida aos seres humanos pelos animais, de notificação compulsória e imediata aos serviços de vigilância sanitária municipal, estadual e federal. Todos os mamíferos podem ser infectados, tanto os domésticos (caninos, felinos, equinos, bovinos entre outros) como os animais selvagens (morcegos, primatas, gambás entre outros).

A eliminação do vírus é pela saliva do animal infectado, sendo assim a transmissão mais comum é por meio de mordedura, arranhadura ou lambedura. Entretanto, existem relatos de infecção por via respiratória por meio da inalação de aerossóis contendo vírus da raiva.

“Nos casos de cães e gatos, eles podem eliminar o vírus de dois a cinco dias antes inicio dos sinais clínicos e a morte acontece entre cinco a sete dias após do aparecimento dos sintomas”, explica a médica. Nos casos dos morcegos, eles podem permanecer com o vírus por um longo período sem necessariamente manifestar sintomas.

Os sintomas da raiva podem variar de acordo com a espécie envolvida, segundo Lethicia, nos casos dos carnívoros, tornam-se agressivos (raiva furiosa). No caso dos herbívoros, podem apresentar paralisia (raiva paralitica). “Mas em geral todos podem apresentar: salivação abundante com dificuldade de deglutição, anorexia, cefaléia, inquietude, espasmos musculares, convulsões e alterações comportamentais e mudanças de hábitos, como no caso dos morcegos que podem ser encontrados durante o dia e em locais não habituais”, explica.

O diagnóstico é feito pelos sinais clínicos característicos citados acima e pelo histórico de mordedura, arranhaduras, lambeduras ou contato direto com animais suspeitos. A confirmação pode ser feita por meio de exames laboratoriais.

A médica veterinária, especializada em clínica médica e cirúrgica, ainda alerta que é preciso evitar o contato direto com animais desconhecidos, não tocar em morcegos ou outros animais silvestres sem a devida proteção, principalmente se estiverem debilitados ou com alterações comportamentais. “Caso haja contato direto com algum animal suspeito, recomenda-se procurar assistência médica o mais rápido possível para que as medidas profiláticas como aplicação de vacina ou soro antirrábico sejam prescritas pelo médico”.

Ainda, caso haja ferimentos, recomenda-se no primeiro momento lavar com água e sabão abundantemente. “O animal agressor deve ficar em observação pelo menos 10 dias para verificar se o mesmo manifesta sintomas da doença ou morte, caso o animal seja desconhecido ou fuja deve-se notificar a serviço de saúde”.

A vacina contra a raiva está disponível tanto no sistema público, em campanhas de vacinação, como em clínicas particulares. “Por se tratar de uma doença extremamente grave, é de suma importância que seja feita a vacinação anual de cães e gatos. Ela é eficaz para a prevenção da raiva nesses animais e assim consequentemente prevenir a raiva humana”, alerta a médica.

 

 


Comentários