fbpx

Ações preparam para evitar epidemia de dengue

As ações para o combate à dengue em Mogi Mirim não param. Mesmo com apenas 10 casos confirmados desde agosto – quando se inicia o chamado “ano dengue”, período em que normalmente há maior transmissão da doença – a Prefeitura de Mogi Mirim intensifica as ações para evitar que uma nova epidemia se instale no município nos próximos meses.

As divulgações à população sobre os números confirmados e dicas para evitar a proliferação do mosquito estão sendo constantes \ Foto: Everton Zaniboni

As divulgações à população sobre os números confirmados e dicas para evitar a proliferação do mosquito estão sendo constantes \ Foto: Everton Zaniboni

Em agosto houve apenas um caso registrado na região central; em setembro, três casos (dois na zona Norte e um na zona Leste); outubro houve o registro de três casos na zona Norte e um na zona Leste, totalizando quatro casos; e no último mês, em novembro foram dois casos: um na zona Norte e outro na zona Oeste. No acumulado do ano até a última quinta-feira (3), foram 11.234 confirmados. Foram 1.265 casos descartados no ano e 60 aguardam o resultado dos exames confirmatórios.

A Secretaria de Saúde vêm realizando ações de sensibilização e inúmeras palestras. As divulgações à população sobre os números confirmados e dicas para evitar a proliferação do mosquito estão sendo constantes.

As ações nos bairros também acontecem permanentemente, com a área urbana totalmente coberta por agentes comunitários de saúde e agente de controle de vetores realizando visitas domiciliares e nos comércios para orientação quanto a eliminação de criadouros. Quando encontram criadouros em que não é possível realizar a remoção mecânica, eles orientam sobre tratamentos alternativos, como o uso de sal ou cloro, por exemplo.

Estudos revelam que 90% dos focos do mosquito encontram-se nas residências. A população e poder público precisam trabalhar juntos nesta luta. Somente assim será possível reduzir a transmissão da dengue, da chikungunya e do zica vírus.

O QUE A PREFEITURA ESTÁ FAZENDO?
1) 100% da área urbana e 80% da área rural coberta por agentes comunitários de saúde e agente de controle de vetores. Eles são os responsáveis pelas visitas domiciliares e nos comércios para orientação quanto a eliminação de criadouros. Quando isso não é possível, eles orientam sobre tratamentos alternativos, como o uso de sal ou cloro, por exemplo.

2) Varredura e orientação foram realizados em todos prédios utilizados pelo município em todas as regiões da cidade

3) A cada 15 ou 30 dias, mais de 50 locais vulneráveis à proliferação do vetor (devido ao acúmulo de materiais que servem de criadouros, como borracharias, ferros-velhos, rodoviária, logradouros públicos, cemitérios, locais com fins de lazer ou religiosos, piscinas de uso público, dentre outros) são vistoriados. Quando ocorre a presença de larvas é realizado tratamento químico.

4) Vistorias são realizadas nos locais em que há casos de denúncias de possíveis criadouros. A vistoria é realizada e o responsável pelo imóvel recebe orientação e, muitas vezes, prazo de três dias para adequação do ambiente. As denúncias são feitas pelos telefones 3806-4730 e 3806-1418.

5) Os alunos da rede pública municipal e estadual sempre recebem orientações sobre os cuidados que devem ser tomados em suas residências e os servidores públicos municipais também receberam palestras na última segunda-feira (30), quanto a eliminação de criadouros nos prédios próprios da Prefeitura.

SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA
1) Mogi Mirim conta com 11 UBSs na área urbana e 5 na área Rural, que possuem profissionais habilitados para realizar a assistência aos pacientes com casos suspeitos e/ou confirmados, além do Pronto Atendimento da Santa Casa de Misericórdia.

2) Frente a todo caso suspeito, os agentes da área realizam a busca e controle de criadouros pela região para saber se há mais algum morador que apresente sinais e sintomas, mas que ainda não procurou assistência.

3) Se o paciente for confirmado com dengue, realiza-se além da busca e controle de criadouros, o tratamento químico no local.

  

Comentários