Coronavírus: líderes religiosos e empresas recebem orientação da Prefeitura

A Prefeitura promoveu nesta terça-feira (17) na Estação Educação, mais uma etapa do trabalho de orientação a representantes da sociedade civil, visando intensificar as medidas de enfrentamento ao novo coronavírus (Covid-19) em Mogi Mirim, em que até segunda-feira (16) registrou sete casos suspeitos e nenhum confirmado.

Após diretores de Escolas Municipais de Educação Básica (EMEBs) e Centros Educacionais Municipais de Primeira Infância (CEMPIS), líderes religiosos e integrantes da área de Recursos Humanos de empresas instaladas na cidade puderam ouvir do Poder Público quais ações vêm sendo adotadas contra o vírus e de que maneira poderiam colaborar para o trabalho de conscientização junto a fiéis e profissionais.

Cerca de 35 representantes de paróquias e igrejas e de 10 empresas acompanharam explicações da secretária de Educação Flávia Rossi, do secretário de Saúde, Ederaldo Moreno, da coordenadora da Vigilância em Saúde, Joalice Penna Rocha Franco, e do médico infectologista João Paulo Grecco.

 

O que foi dito?

As orientações foram de que padres, pastores e demais profissionais conscientizassem os fiéis em relação a protocolos de higiene, etiqueta respiratória e revisão de condutas sociais. Não foi determinada a proibição de missas e festividades, mas sim que cada paróquia atue de maneira responsável no sentido de evitar aglomerações e hábitos que levam os fiéis a se cumprimentar, abraçar ou saudar um ao outro de maneira calorosa.

Com centenas de funcionários, divididos em turnos, em seus quadros, as empresas também devem adotar medidas de precaução. Assim como as paróquias, cada uma irá definir suas ações internamente, como a suspensão, interrupção parcial, home office ou a continuidade das atividades pelas próximas semanas.

Panfletos com orientações de higiene, a maneira como o Covid-19 é transmitido e quais os principais sintomas foram entregues ao público. Presente em todos os eventos, João Paulo Grecco explanou sobre a letalidade, rapidez na propagação do vírus, formas de transmissibilidade, entre outros questionamentos, além de esclarecer dúvidas dos participantes.

Joalice seguiu a mesma linha, e instruiu a forma correta do uso do álcool em gel e da lavagem das mãos. Os profissionais ressaltaram não haver motivo para medo, mas que a prevenção é o melhor caminho para evitar a transmissão do vírus.

“Temos que nos preocupar com essa situação, não esperar o que vai acontecer. Preferimos ter excesso de preocupação do que esperar consequências mais drásticas. A nossa cautela é com o que está por vir, por isso devemos nos preocupar e tomar decisões. Precisamos nos isolar por um certo tempo e aguardar a epidemia passar”, destacou o secretário de Saúde, Ederaldo Moreno.

  

Comentários