fbpx

Teatro narra história real de ator com esclerose múltipla

Baseado no livro Um palhaço na boca do vulcão (editora Grua), de Nando Bolognesi, o espetáculo “Se fosse fácil, não teria graça” será apresentado em Jaguariúna no sábado, 27 de fevereiro, às 20h, no Teatro Municipal (Rua Alfredo Bueno, 1.151, Centro).

Em cartaz em São Paulo desde agosto de 2013 o espetáculo narra, sempre com muito bom humor, a trajetória do autor e interprete sobre como aprendeu a conviver com as limitações impostas por uma doença degenerativa, progressiva, incurável e com potencial incapacitante.

Os ingressos são gratuitos e devem ser retirados na bilheteria do próprio Teatro (telefone 19 3867-2404, de quarta a sexta das 16h às 19h e, no sábado até o horário do espetáculo) e no Bortolettão (Rua Cândido Bueno, 545 – telefone 19 3867-3014, de segunda a sábado das 8h às 18h).

Informações no site www.bilheteriarapida.com.br/teatrogt ou pelo Call Center 0800-735 0550. O espetáculo tem patrocínio do Itau Cultural.

ESPETÁCULO
O ator Nando Bolognesi, na vida real, é portador de esclerose múltipla, uma doença degenerativa que acomete o sistema nervoso central e provoca a perda progressiva dos movimentos. No espetáculo, o cômico profissional, formado em Economia e História, conta como descobriu, aos 21 anos, ser portador da doença e como decidiu conviver com ela.

Seu relato sobre como podemos transformar dificuldades, limites e crises em alegrias, desafios e realizações é engraçado, humano e comovente traz diversas reflexões sobre a vida, a morte, nosso lugar no universo e nossa relação com a alteridade.

Sem pieguices, Se fosse fácil não teria graça, uma tragicomédia que pode ser considerada a primeira sitdowntragedy, faz rir e chorar e convida o público a repensar o modo de estar no mundo e a enxergar a vida. A peça tem 80 minutos de duração. A censura é para 12 anos.

ATOR
Nando Bolognesi nasceu em maio de 1968. Aos 21 ficou sabendo que sofria de uma doença degenerativa, progressiva, incurável e com potencial incapacitante. Formou-se em Economia na USP – Universidade de São Paulo – e História na PUC – Pontifícia Universidade Católica. Casou-se, adotou um filho e resolveu dar uma virada na própria vida ao ingressar na concorridíssima Escola de Arte Dramática EAD-ECA-USP.

Trabalhou no cinema, na televisão e no teatro com diretores consagrados como Hector Babenco, Laís Bodansky, Fernando Meirelles, Celso Frateschi, Elias Andreato, José Rubens Siqueira, Wellington Nogueira e William Pereira entre outros.

Integrou o elenco de palhaços dos Doutores da Alegria (2001/2005), criou e dirigiu o projeto Cidadão Clown (2002), criou, atuou e dirigiu o grupo Fantásticos Frenéticos – palhaços em Hospitais psiquiátricos (2006-2008) e integrou o elenco de palhaços improvisadores no espetáculo Jogando no Quintal (2002/2012)

Como redator, revisor e escritor prestou serviços de assessoria de Comunicação para empresas como BUNGE, Villares, Bradesco Seguros, FERTIMPORT e CESP. Em 2012 foi aprovado no concurso para auditor fiscal tributário do município de São Paulo. Publicou o livro Um palhaço na boca do vulcão (ed. Grua), em agosto de 2014. Desde agosto de 2013 apresenta o espetáculo Se fosse fácil, não teria graça em teatros e empresas.

ESCLEROSE MÚLTIPLA
A esclerose múltipla acomete o sistema nervoso central e pode afetar o cérebro e a medula espinhal. Com o avanço da doença, os pacientes podem perder algumas capacidades físicas e cognitivas, manifestando-se de formas variadas em cada um.

Hoje o prognóstico da doença conta dos avanços da medicina, de novas abordagens terapêuticas e de tratamentos multidisciplinares que melhoram significativamente a qualidade de vida e o controle de surtos e sintomas dos pacientes.

Fonte: ABEM – Associação Brasileira de Esclerose Múltipla.

FICHA TÉCNICA
Se fosse fácil, não teria graça
Autor – Nando Bolognesi
Direção – Nando Bolognesi
Assistente de direção – Élida Marques
Elenco – Nando Bolognesi
Produção: Joca Paciello e Élida Marques Prod. Art. Ltda
Duração: 80 m
Censura: 12 anos

Serviço
Se fosse fácil, não teria graça
Local: Teatro Municipal
End: Rua Alfredo Bueno, 1.151 Centro – Jaguariúna
Data: 27 de fevereiro (sábado)
Horário: 20h
Informações: (19) 3867-2404 – www.teatrogt.com.br
Entrada franca
Retirada de ingressos
Bilheteria do Teatro: de quarta a sexta das 16h às 19he, no sábado até o horário do espetáculo.
Bortolettão: Rua Cândido Bueno, 545 – Fone: 3867-3014 (Segunda a sábado das 08h às 18h).
Site: www.bilheteriarapida.com.br/teatrogt
Call Center: 0800-735 0550

  

Comentários