Hospital de Mogi Mirim prepara estrutura para atendimento ao novo coronavírus

As medidas adotadas pela Prefeitura Municipal de Mogi Mirim para conter o avanço do novo coronavírus (Covid-19), parte de uma série de ações colocadas em prática no município desde a última semana, também são realizadas na Santa Casa de Misericórdia. O hospital tem preparado uma estrutura para receber pacientes com sintomas respiratórios e adapta sua estrutura física para oferecer um atendimento eficaz à população.

O hospital possui 101 leitos, sendo seis de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O que tem sido feito pela equipe interventora nos Serviços Único de Saúde (SUS), sob intervenção da Administração Municipal desde abril do ano passado, é a adaptação desses atuais leitos para o tratamento de pacientes com sintomas respiratórios e Covid-19. Portanto, foram expandidos de seis para 12 os leitos de UTI, dobrando a capacidade hospitalar, com a possibilidade de atingir estrutura para até 20 leitos, caso seja necessário.

Devido à suspensão dos atendimentos não urgenciais, cirurgias eletivas e procedimentos ambulatoriais, o restante dos leitos de enfermaria ficarão disponíveis para o tratamento específico de pacientes internados na enfermaria.

 

Alterações

O hospital promoveu alterações pontuais para o atendimento específico desses pacientes.

O 1º ambiente, preparado no setor de emergência, é voltado para o atendimento inicial daqueles casos com critérios de gravidade encaminhados pelas Unidades Básicas de Saúde (UBSs).

No local, com 1 leito disponível, ocorre a avaliação pelo médico responsável, onde é decidido se o paciente será internado no leito de isolamento de enfermaria ou no leito de UTI. Feito isso, o leito é disponibilizado para o atendimento do próprio paciente. Caso seja necessário, o paciente poderá ser entubado, e ligado à ventilação mecânica neste espaço, antes de ser transferido para a UTI.

 

Os quartos de enfermaria adaptados para receber pacientes com sintomas respiratórios serão utilizados para pacientes não críticos, mas que precisam de cuidados hospitalares, permanecendo em isolamento.

No hospital, também foi organizado um quarto, na enfermaria pediátrica, adaptado para o tratamento de crianças que necessitem de tratamento intensivo, com respirador mecânico e monitor cardíaco.

Assim como outros hospitais da região, a Santa Casa não dispõe de UTI pediátrica. Os pacientes que precisarem de cuidados pediátricos intensivos são transferidos para hospitais de referência. Porém, até a transferência, um quarto foi adaptado para os cuidados intensivos.

  

Comentários