Mutirão imuniza mais de 1.700 holambrenses contra a Febre Amarela

A busca por prevenção contra a Febre Amarela levou 1.763 holambrenses a unidades de saúde da cidade para o mutirão de vacinação realizado no último sábado, em 17 de março. A ação, resultado de pedidos feitos pelo município ao Estado, atendeu moradores durante todo o dia na Policlínica Municipal e nos PSF Santa Margarida e Imigrantes. As vacinas seguem disponíveis às sextas-feiras, mediante agendamento feito um dia antes, na quinta, no setor de Vigilância em Saúde.

A moradora Maria Aparecida Massari elogiou a iniciativa. “Esse mutirão é excelente. A gente vê diariamente algumas cidades da região em que a situação está complicada. Temos agora uma preocupação a menos com nossa família”, conta. Ela aproveitou o sábado para assegurar sua dose no posto de saúde do bairro onde mora, o Imigrantes.

Em 2017, 990 holambrenses foram vacinados contra a Febre Amarela. Esse ano, antes do mutirão, 665 já haviam sido imunizados. O diretor municipal de Saúde, Valmir Marcelo Iglecias, considerou positivo o resultado da ação. “Vacinamos em um único dia mais pessoas do que tínhamos conseguido imunizar no último ano e três meses. É um resultado considerável e que contribui para proteger e dar mais tranquilidade aos moradores”, comenta.

Segundo ele, quem não conseguiu comparecer ao mutirão de sábado não precisa se preocupar. O agendamento para vacinação contra a doença continua às quintas-feiras, das 13h às 16h, no setor de Vigilância em Saúde, instalado do Paço Municipal. A partir dessa semana serão oferecidas 200 doses semanais às sextas – 100 no período da manhã e 100 à tarde. Para o agendamento é necessária a apresentação do Cartão Cidadão e, se possível, da Carteira de Vacinação.

Holambra não registrou nenhum caso confirmado e nem suspeito da doença.

Quem não deve tomar a vacina
De acordo com o diretor do setor de Vigilância em Saúde, o médico sanitarista Paulo César Madi, doadores de sangue que realizaram o procedimento de doação há menos de 30 dias devem esperar para receber a dose. Gestantes e mulheres que amamentam há menos de 6 meses também devem aguardar. A vacina também não é indicada para bebês com menos de 9 meses e idosos acima de 60 anos. Pessoas com doenças autoimunes e diabéticos também precisam procurar um médico antes de receber a dose

  

Comentários