Prefeitura cria ‘força-tarefa’ para combate permanente ao Aedes em Jaguariúna.

O combate aos criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika vírus e febre chikungunya, já conta com um novo e importante reforço em Jaguariúna. Começou a atuar nesta segunda-feira, dia 13 de março, uma força-tarefa formada por profissionais da Secretaria Municipal de Saúde (por meio da Divisão de Zoonoses e Controle de Vetores), e dos departamentos de Fiscalização Tributária e de Serviços Públicos (Obras) que atuarão de forma permanente e focados na eliminação de locais que possam servir de ferramenta para a proliferação de larvas ou mosquitos alados.

2

“Vamos atuar de maneira integrada, de forma que quando o pessoal da fiscalização detectar um terreno baldio com sujeira e mato alto, poderá acionar seus colegas da Saúde e de Obras, a fim de que o problema encontrado seja solucionado o mais rápido possível. Então, vai ser assim, quem receber uma denúncia ou identificar uma situação de risco primeiro, aciona os demais”, explica Carlos André Sanches Coutinho, chefe de Divisão que atua na Zoonoses e Controle de Vetores.

Entre os alvos dessa força tarefa estão terrenos baldios (murados ou não) que apresentem mato alto. Quando essa situação for detectada, o departamento de Fiscalização notificará o proprietário para que seja feita a limpeza. Caso isso não ocorra, no tempo previsto por lei municipal, que é de 15 dias, o trabalho de corte do mato, retirada de entulhos e todo tipo de sujeira que possa acumular água parada, será feito pela Prefeitura.

Já o proprietário receberá a cobrança posteriormente, com base na tabela de preços públicos do Código Tributário Municipal pela execução dos serviços. Vale ressaltar que em caso de inadimplência, o débito será inscrito na dívida ativa do município.

Reforço

Dessa forma, a iniciativa reforçará o trabalho dos mutirões de limpeza realizados regularmente na cidade, que visam acabar com os criadouros onde a fêmea do mosquito Aedes aegypti possa depositar seus ovos. Entram na lista, também, bueiros entupidos e buracos em vias públicas, entre outras situações com potencial para se tornarem eventuais “berçários com água parada”, onde p1upas e larvas do Aedes aegypti darão início à fase de transformação até o a fase adulta (alada), que dura, em média 15 dias.

Vale lembrar que Jaguariúna não tem registro casos autóctones (gerados na própria cidade) de dengue desde o início do ano devido ao combate ao mosquito mediante a eliminação de possíveis criadouros. Isso vem sendo feito por meio dos mutirões de limpeza coordenados pela Secretaria Municipal de Saúde. O último deles foi realizado no último sábado, dia 11 de março.

“Apesar de todas as ações realizadas pela Prefeitura, o êxito somente será alcançado se todos nós estivermos unidos pela causa. Nossa grande arma no combate ao mosquito é a conscientização e ação da população. A prevenção começa dentro de nossas casas”, alerta Ícaro Biotto Battoni, diretor de Fiscalização da Prefeitura.

 

  – Fotos: Samuel Oliveira/PMJ

  

Comentários