Prefeitura faz ação preventiva contra a Dengue em Moradias do Bairro Cruzeiro do Sul

Prevenir é sempre melhor que remediar, diz um sábio e antigo ditado. Então, para manter a situação sob controle em relação ao mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue, febre amarela e chikungunya, a Secretaria de Saúde de Jaguariúna investe em medidas preventivas permanentes.

Foi o que aconteceu no último sábado, 6 de abril, quando mais um Mutirão de combate aos criadouros do mosquito da dengue percorreu o bairro Cruzeiro do Sul. Os Agentes de Saúde trabalharam das 8h às 16h e concentraram seus esforços na eliminação de criadouros e orientação aos moradores apenas nas residências. É que dentro e fora delas, segundo as pesquisas, estão a maior parte dos locais que apodem acumular água parada.

“É num pneu velho, numa lata ou qualquer recipiente plástico que a fêmea do mosquito põe seus ovos e ninguém vê. O recipiente pode estar sequinho quando ela põe seus ovos, mas basta uma chuvinha ou um pouco d’água para que eles eclodam e nasçam as larvas, que se transformam em pupas e depois em mosquitos alados do Aedes aegypti”, explica a secretária de Saúde Maria do Carmo de Oliveira Pelisão.

Portanto, uma coisa é certa: sem criadouro, não tem mosquito! Essa orientação, por sinal, está nos folhetos que os Agentes de Saúde da Prefeitura de Jaguariúna entregaram em cada uma das casas visitadas. O objetivo é fazer da população uma importante aliada na luta contra a dengue.

Conforme dados da Secretaria de Saúde de Jaguariúna, de janeiro a março de 2019 a cidade apresenta o seguinte quadro em relação às doenças transmitidas pelo Aedes aegypti: 5 (cinco) casos de dengue confirmados e nenhum caso de zika vírus ou febre chikungunya.

Em relação aos casos suspeitos e que estão sendo investigados em laboratório, são 75 de dengue e nenhum dos demais (zika e chikungunya). “Também não tivemos nenhum caso de dengue tipo 2, até agora, e nenhum óbito provocado por dengue em Jaguariúna, felizmente”, diz a secretária de Saúde. Os dados são atualizados pela Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde.

  

Comentários