Pressão alta: doença silenciosa representa risco de vida, mas é possível prevenir danos maiores com mudança de hábitos

Alimentação saudável, com menor consumo de sódio, e atividades físicas estão entre medidas que podem ajudar a reduzir problema crônico que atinge mais de 30 milhões de brasileiros, causando 80% dos casos de AVC

Quando foi a última vez que você mediu sua pressão? Se não se lembra, está acima do peso, é sedentário e consome regularmente bebidas alcoólicas e alimentos com muito sal, é bom marcar um check-up. Esses são alguns dos fatores de risco para a hipertensão arterial sistêmica (HAS), conhecida popularmente como pressão alta.
Doença crônica e muitas vezes assintomática, a hipertensão atinge mais de 30 milhões de brasileiros e é uma das maiores responsáveis pelas doenças cardiovasculares, principal causa de morte no Brasil e no mundo. Cerca de 80% dos acidentes vasculares cerebrais (AVC) são potencializados pela HAS. A lista de ocorrência graves inclui infartos, derrames e doenças renais crônicas. Mas a boa notícia é que é possível detectar cedo e conviver bem com o problema, mantendo os riscos sob controle.
“Em geral, a hipertensão é identificada quando existe uma elevação persistente da pressão arterial acima de 140 e/ou 90mmHg, medida com a técnica correta em pelo menos duas ocasiões diferentes, e sem que a pessoa esteja tomando nenhuma medicação anti-hipertensiva, por isso é importante o diagnóstico médico”, destaca Priscila Cannavan, enfermeira, especialista em cardiologia e professora do curso de Enfermagem do Centro Universitário UniMetrocamp Wyden.
Membro da Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (SOBRAC) e da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP), Priscila explica que, frequentemente, a HAS é de fato assintomática, mas podem surgir sinais de que é preciso buscar assistência médica. “Os sintomas mais comuns são dor de cabeça, dor no peito, tontura, zumbido no ouvido, fraqueza, visão embaçada e sangramento pelo nariz”, enumera. “Em caso de suspeita, podem ser feitos exames como o Monitoramento Ambulatorial da Pressão Arterial (MAPA), além de outros que avaliam a saúde do coração como um todo, como eletrocardiograma, ecocardiograma e teste ergométrico, importantes de serem incluídos em check-ups anuais”.

A professora do Centro Universitário UniMetrocamp Wyden ressalta que a HAS é multifatorial. “Abrange fatores não modificáveis, como genética, ou seja, histórico familiar, sexo, idade e etnia, e outros modificáveis como sobrepeso ou obesidade, consumo de álcool, sedentarismo, apneia do sono e consumo de sódio, cuja principal fonte são alimentos como o sal e embutidos”, revela Priscila. “Se a pessoa tem predisposição, é essencial que busque uma alimentação mais saudável e a prática de uma atividade física, que colaboram para a manutenção do peso ideal”.
A especialista reforça que é preciso se conscientizar de que a HAS é uma doença crônica, ou seja, terá que ser tratada pelo resto da vida, mas que os modernos recursos da medicina, aliados à mudança de hábitos, podem proporcionar a redução dos danos e a melhoria da qualidade de vida. “São medidas que não apenas previnem a hipertensão, mas garantem a saúde do coração e do corpo como um todo”, finaliza Priscila Cannavan.
Sobre o Centro Universitário UniMetrocamp Wyden

O Centro Universitário UniMetrocamp Wyden é referência em educação com qualidade e inovação desde 2002, oferecendo aos alunos educação de padrão internacional, por meio de um corpo docente especializado, infraestrutura de nível mundial — com 29 laboratórios para os cursos específicos, de última geração, 15 laboratórios de informática, 05 clínicas de saúde, bibliotecas com acervo atualizado e salas de aula modernas — além de programas de suporte ao aluno (Care) e programas internacionais, como curso de inglês, intercâmbio e palestras com professores estrangeiros. Com 18 anos de experiência em Campinas/SP, a instituição investe constantemente para formar cidadãos profissionais com experiência de aprendizado internacional, capazes de suprir as demandas do mercado de trabalho, bem como atingir seus objetivos educacionais e de carreira.

Cursos e estrutura

O Centro Universitário UniMetrocamp Wyden possui 27 cursos de graduação e 38 cursos de Pós-Graduação nas áreas de Arquitetura, Comunicação, Design, Direito, Engenharia, Gastronomia, Gestão e Negócios, Saúde, Tecnologia e Educação. Com mais de 14 mil m² de infraestrutura de padrão internacional, a faculdade possui 29 laboratórios de cursos específicos, com equipamentos de última geração, 15 laboratórios de informática, 05 clínicas de saúde, 77 salas de aula modernas e equipadas com ar-condicionado e 1 auditório com capacidade para cerca de 250 pessoas.

  

Comentários