Santa Casa de Mogi Mirim pode ser um hospital de retaguarda

Na última terça-feira, dia 13 de setembro, o candidato da Coligação Dá Pra Ser Mais João Leandro Lolli, cumpriu agenda em Mogi Mirim onde participou de uma reunião com o Provedor da Santa Casa de Misericórdia, Sr. Josué. O assunto tratado foi sobre a Santa Casa de Mogi Mirim, se tornar um Hospital de Retaguarda para o atendimento aos cidadãos de Santo Antônio de Posse.

“Ter um Hospital de Retaguarda, que seja conveniado com a prefeitura para os atendimentos de urgência e emergência, cirurgias, exames, e procedimentos de média e alta complexidade é um projeto da nossa administração”, comentou João Leandro.

O primeiro contato entre João Leandro e Josué se deu através das redes sociais. “O Josué enviou uma mensagem se colocando à disposição para uma conversa sobre a possibilidade da Santa Casa de Mogi Mirim atender os pacientes da Posse”, explica. Depois da mensagem, a reunião foi marcada.

Na provedoria da Santa Casa, Josué afirmou que é possível atender os pacientes da Posse e ser um hospital de referência para a cidade. “Para nós é um prazer voltar a atender os cidadãos da Posse. Historicamente a população sempre foi atendida na nossa Santa Casa. A Santa Casa de Mogi Mirim está apta hoje tanto na parte de neurologia, quanto na área de ortopedia, na área de obstetrícia, no setor de imagem e laboratório. Sem dúvidas é um Hospital com condições de atender a população da Posse em todos os sentidos”, afirmou Josué.

Na ocasião, João Leandro agradeceu ao hospital  e concluiu que a parceria será boa para ambas as partes, tanto para a Santa Casa que vai ter uma taxa de ocupação maior, e principalmente para os pacientes de Santo Antônio de Posse, que finalmente vão voltar a ter um Hospital de Retaguarda.

“A proposta é muito interessante para o bom funcionamento da saúde pública da nossa cidade. Estamos trabalhando para finalmente resolver esses problemas de saúde que já duram mais de 5 anos, desde o dia que o ex-prefeito Norberto saiu do CONSAÚDE, em 2010, por acumular uma dívida de R$ 850 mil e a população deixou de ser atendida no hospital de Pedreira, que faz parte do consórcio,” concluiu João Leandro Lolli.

  

Comentários