fbpx

Saúde realizará mutirão para diminuir tempo de espera por ultrassom

A Secretaria de Saúde vai reiniciar mutirões para realização de exames de ultrassonografia a fim de reduzir o tempo de espera, que aumentou este ano devido ao crescimento abrupto da demanda. Até dezembro estão agendados 11.000 exames. A média mensal, de 1.300 a 1.400, aumentou em 30% em 2017, cerca de 700 a mais por mês neste primeiro semestre. Em consequência, há mais quase 2.000 marcados para fevereiro e março de 2018.

A secretária de Saúde, Clara Alice Franco de Almeida Carvalho, explica que o aumento da demanda, com consequente gargalo na fila de espera, decorre de dois principais fatores, ambos reflexos da atual conjuntura econômica nacional. O primeiro é que, nos últimos três anos, quatro médicos ultrassonografistas se demitiram e há dificuldade em contratar outros profissionais no mercado de trabalho para suprir as vagas.

O segundo motivo é que o número de pedidos aumentou significativamente nos últimos meses devido ao desemprego, o que fez com que muitas pessoas perdessem o benefício de plano de saúde privado e passassem a procurar atendimento pelo SUS. Os exames são realizados no Hospital Municipal “Dr. Tabajara Ramos”, que dispõe de dois equipamentos de ultrassom. A equipe atual conta com seis ultrassonografistas, um deles exclusivo para ultrassom obstétrico e vaginal.

Em expediente normal, os exames são feitos de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h. Os mutirões serão realizados após o expediente ou nos finais de semana, como era até o final do ano passado. Os agendamentos devem começar dentro de 30 dias de acordo com a ordem cronológica dos pedidos que estão na espera. Os exames de urgência, de gestantes e de pacientes da Oncologia já são feitos com prioridade e sem ter de aguardar na fila.

A Secretaria de Saúde fará também uma triagem das requisições e orientará os médicos informem a hipótese diagnóstica no pedido de ultrassom. A razão desse cuidado é que 95% dos exames têm resultado normal, não justificando a urgência.

Matéria: ASCOM

  

Comentários