Todos os casos suspeitos de 2017 tiveram laudo negativo para Febre Amarela em Mogi Guaçu

Todos os 17 casos suspeitos de febre amarela notificados no Município de Mogi Guaçu no ano passado receberam diagnóstico negativo para a doença no resultado dos exames.

Em 2018, até sexta-feira, dia 19, foram registradas duas notificações de suspeitas. Uma já recebeu laudo negativo e a segunda aguarda o resultado da análise pelo Instituto Adolfo Lutz.

Em 2017 foram aplicadas 31.572 doses da vacina em todo o Município, incluindo a zona rural. Já nos primeiros 19 dias de 2018 foram consumidas 3.138 doses.

Embora a vacina esteja disponível em todas as 24 Unidades de Saúde de Mogi Guaçu, a Vigilância Epidemiológica constatou que houve um aumento abrupto da demanda em curto espaço de tempo.

Se até o dia 16 haviam sido aplicadas 1.444 doses, em apenas dois dias essa quantidade mais que dobrou, a despeito de a população estar sendo informada que não há motivo para corrida aos postos de vacinação.

A procura aumentou nos últimos dias como consequência do noticiário sobre a ocorrência de casos positivos de febre amarela no Estado de São Paulo, apesar de Mogi Guaçu não ser considerada Área de Risco.

O Município é classificado como Área de Recomendação de Vacina pelo Ministério da Saúde, desde 2015, por se localizar próximo de regiões com casos confirmados.

Podem receber a vacina crianças a partir dos nove meses até idosos com 60 anos. Acima de 60, assim como doentes crônicos e portadores do HIV, também podem ser vacinados, desde que por recomendação médica.

A vacina é contraindicada para grávidas, mulheres que amamentam crianças com menos de seis meses, pessoas alérgicas a ovo e derivados e pacientes com câncer em tratamento de quimioterapia e radioterapia.

Quem já foi vacinado não precisa de outra dose porque já está imunizado contra a febre amarela. O horário de vacinação na rede municipal é das 8h às 15h30.

Matéria: ASCOM

  

Comentários