fbpx

Vazamento em adutora de água causa interrupção em trecho da estrada da cachoeira

Em consequência de erosão causada por um vazamento da nova adutora de água bruta do Samae (Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto), um trecho da Estrada Municipal “Luciano Ferreira Gonçalves”, que dá acesso à Faculdade Municipal “Professor Franco Montoro”, foi interditado esta semana.

O vazamento ocorreu na curva da entrada do Bairro da Cachoeira de Cima onde se localizam o campus da “Franco Montoro”, na Rua dos Estudantes, e a AES-Tietê, concessionária que administra a PCH (Pequena Central Hidrelétrica) de Mogi Guaçu.

O Samae providenciou um desvio de terra paralelo à curva, mas, como choveu na quinta-feira pós-feriado, a direção da “Franco Montoro” decidiu, por questão de segurança para os alunos, suspender as aulas do dia e desta sexta-feira, dia 14 de outubro, devendo voltar ao normal na segunda-feira.

Segundo o superintendente do Samae, Antonio Luís Rabelo, a nova adutora continua ligada e capta água junto à represa da PCH no Rio Mogi Guaçu sem interrupção apesar do vazamento. A empresa responsável pela obra já iniciou os reparos.

A nova adutora, que capta água por gravidade, sem auxílio de bombas, continua operando até que a adutora antiga seja religada na segunda-feira, dia 17, e então será desligada para eliminação dos vazamentos. A pavimentação da estrada também terá de ser recuperada.

A antiga adutora tem bitola menor e também capta por gravidade na represa, mas depende de duas bombas instaladas na Subestação do Limoeiro, no Jardim Nova Mogi Guaçu, para levar água bruta até a ETA (Estação de Tratamento de Água) do Jardim Bela Vista.

Matéria: Prefeitura de Mogi Guaçu

  

Comentários