Cantor possense ganha destaque na região

Rafael Luke, 31 anos, está trilhando seu caminho na música. Nascido e criado em Santo Antônio de Posse, o filho da Terezinha e do Benfica, se encantou pela música cedo. “Minha mãe dizia que desde criança eu sempre me interessei por música, meu brinquedos preferidos eram os instrumentos”, lembra o cantor. Aos 13 anos, ainda na escola, se encantou de vez pela música. Ao ouvir alguns colegas tocando no intervalo, decidiu que também queria aprender e assim o fez, decidindo-se pelo violão e o contrabaixo. Formou uma banda e nunca mais parou. “Naquela época só os colegas e conhecidos nos convidavam pra tocar, era muito ruim, mas a gente gostava do que fazia”, conta Rafael.

Embora sua mãe tenha o apoiado sempre, seu pai, a princípio, não gostava muito da ideia do filho viver da música. “Ele tinha receio, porque nesse meio é preciso ter ‘juízo’ pra prosperar, e isso o deixava preocupado”, conta. Então, ao terminar a escola, Rafael optou por estudar Administração e mesmo depois de formado, não conseguiu deixar a música de lado. “Era preciso conciliar as duas funções, me apresentava aos finais de semana, mas algumas vezes durante ela também, chegava e ia direto trabalhar”, lembra. Até que um dia o cansaço falou mais alto e enquanto voltava de uma apresentação, cochilou ao volante. Nada aconteceu, mas o susto foi a gota d’água e Rafael decidiu que era hora de investir naquilo que realmente gostava: a música.

Em 2010, largou o emprego e foi tocar para uma dupla em Campinas, o ‘bico’ lhe rendia um bom dinheiro, mas então os cantores decidiram se separar e como Rafael ainda não cantava, precisou fazer trabalhos esporádicos como músico na região. Por conta da instabilidade financeira, decidiu formar uma dupla sertaneja e se aventurar no vocal, então, conversou com seu cunhado, Rodrigo, que já trabalhava com música nas horas livres. “Quando fomos ensaiar a primeira vez, não ficou legal, então eu fui estudar como fazer segunda vez e comecei a prestar atenção nas vozes enquanto ouvia as músicas”, afirma o cantor. Foi então que surgiu a dupla Rodrigo & Rafael.

As apresentações da dupla passaram a acontecer com mais frequência e numa conversa, Rafael optou por seguir carreira solo. “Eu estava levando a música como a minha única fonte de renda e como meu cunhado tinha um trabalho e alguns objetivos, ele não podia abrir mão para se dedicar somente a música, foi aí que nós achamos melhor seguir caminhos diferentes”, conta.

Carreira solo

“Eu morria de medo do microfone, eu não sabia me expressar, me comunicar”, lembra Rafael quando fala sobre o início da carreira solo. O fato de nunca ter estado sozinho no palco em frente ao público, deixou o músico ansioso em sua primeira apresentação como Rafael Luke. “Me lembro até hoje, meu primeiro show solo foi em Pedreira, num pesqueiro, para mais ou menos mil pessoas”, conta e completa afirmando que “hoje eu estou mais solto, me acostumei com o contato direto com o palco e o público, mas eu sofri no começo”, afirma.

Depois deste show, Rafael Luke não parou e está conquistando cada dia mais espaço nas casas de shows da região. “É um mercado concorrido, tem muita gente boa, é preciso esforço e dedicação para conseguir uma chance e depois é preciso saber aproveitá-la”, conta. Administrador de sua carreira, o cantor reserva as quartas-feiras para, juntamente com seu percussionista e braço direito, Felipe Dutra, se ocupar com a divulgação de seu show. “Nós ligamos para os espaços para vender a apresentação, entramos em contato com os barzinhos para agendar os dias que vamos tocar, é preciso correr atrás”, ressalta.

Rafael Luke se apresenta em festas particulares, rodeios e barzinhos. No último, geralmente vai acompanhado de Felipe Dutra, mas em rodeios e apresentações em casas noturnas, leva junto sua banda. “Como faz bastante tempo que estou na música, você acaba conhecendo bastante músico e aí eu juntei um pessoal pra tocar comigo”, afirma. Recentemente, uma grande oportunidade surgiu para Rafael: foi convidado para abrir o show de Wesley Safadão –atualmente, um dos músicos mais requisitados – no rodeio de Sumaré. “Foi o maior número de pessoas para qual eu me apresentei, tinha mais ou menos 22 mil pessoas na frente do palco”, conta Rafael.

Depois deste dia, as portas se abriram. Hoje Rafael se apresenta em vários bares e casas noturnas da região e começa a ter seu trabalho reconhecido, um feito que exigiu e exige muita dedicação. “Nós fazemos coisas diferentes no show, eu me preocupo com isso. Hoje em dia está tudo muito parecido, é difícil diferenciar. Eu procuro fazer um show bastante animado, pra cima, eu também sou produtor, então trabalho em cima das músicas para que elas mostrem minha personalidade”, afirma. Em um de seus trabalhos como produtor, Rafael Luke, produziu a sua primeira música de trabalho Garota Facebook, composta por Gabriel Teixeira.

Quando questionado sobre a rotina corrida e os finais de semana de trabalho, Rafael é sucinto. “Eu gosto dessa vida, final de semana eu trabalho, mas quando gostamos do que fazemos, não nos importamos”, enfatiza. O próximo passo é gravar a música autoral, “O amor ainda vive em nós”, mas não para por aí, como o próprio músico conta. “Eu tenho planos de gravar um CD, mas é um investimento muito alto, estou trabalhando para conseguir realizar esse sonho”, afirma o cantor.

Há 15 anos na música, o menino que cresceu ouvindo Trio Parada Dura, Milionário & José Rico, Chitãozinho & Xororó, está batalhando seu lugar no mercado da música e não pensa em desistir. E o pai, seu Benfica, que tinha seus medos quando o filho optou pela música, hoje se orgulha de tudo que Rafael Luke já conquistou.

Matéria: Caroline Belini

  

Comentários