Construção civil segue contratando na Região Metropolitana de Campinas

Setor abriu 162 vagas em maio, ritmo menor que em abril; no ano já são 2.099 vagas abertas e preenchidas

A construção civil segue abrindo novas vagas na Região Metropolitana de Campinas (RMC), trajetória iniciada em janeiro deste ano, com a retomada de investimentos, lançamentos e inícios de obras. Em maio, o saldo foi de 162 novas vagas abertas nas cidades que integram a RMC, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta quinta-feira pelo Ministério da Economia. Os números de maio mostram uma redução no ritmo de contratações na comparação com abril, quando foram gerados 890 postos com carteira assinada.

Em maio, sete cidades apresentaram saldo positivo de contratações, com Campinas liderando a abertura de empregos: com 310 vagas. Em Indaiatuba o setor gerou 60 postos no mês passado. Em nove cidades o saldo ficou negativo.

NO ANO

Quando comparados os números deste ano – de janeiro a maio – com o mesmo período de 2018, é possível verificar a recuperação do setor imobiliário na região. No acumulado de 2019 já foram preenchidas 2.099 vagas com carteira assinada. No mesmo intervalo de tempo do ano passado as construtoras e incorporadoras, na espera da definição do quadro político e ainda sob o forte impacto da crise de quatros ano, haviam fechado 490 vagas.

No acumulado de 2019, 13 municípios contrataram mais que demitiram. Os destaques são Indaiatuba, com 829 novas vagas, seguida por Campinas (709) e Americana (89). Na ponta oposta, Paulínia registrou o fechamento de 521 postos formais – com carteira assinada. Hortolândia (42) e Jaguariúna (28) também seguem no vermelho no ano.

Para o presidente da Associação Regional da Construção de Campinas e Região (Habicamp), Francisco de Oliveira Lima Filho, a redução na abertura de vagas em maio, quando comparada com abril, reflete em parte o cenário de espera e expectativa do mercado pela aprovação da reforma da Previdência. “Por outro lado, o fato de estar havendo mais admissões mostra que o setor está andando. As contratações mostram que novas obras estão sendo iniciadas em toda a região”, analisa.

Caso a aprovação da reforma seja confirmada nos próximos meses, a expectativa do setor é de que aceleração nos lançamentos, início de obras e nas contratações ao longo do ano. “Temos várias construtoras de foram chegando à região, o que mostra o grande potencial do segmento imobiliário na RMC”, explica Lima Filho.

Outro ponto importante, acrescenta ele, é que no período de janeiro a abril o número de pedidos de licenças recebidos pelo Grupo de Análise e Aprovação de Projetos Habitacionais do Estado de São Paulo (Graprohab), órgão ligado ao governo estadual, tiveram um aumento de 131% na RMC. Pelo órgão passam apenas projetos com metragem acima de 500 mil metros quadrados.

Nestes números de projetos, vale esclarecer, não estão computados empreendimentos de menor porte (abaixo de 500 mil metros quadrados), lançados dentro dos municípios, que não estão sujeitos a analises do Estado, mas somente do poder público municipal.

 


Comentários