fbpx

Doações chegam a Minas Gerais

Às 14h do dia 2 de dezembro, o empresário e empreendedor imobiliário João Leandro Lolli encerrou a campanha de arrecadação de água e outros materiais para as cidades atingidas pelo rompimento da barragem de Bento Rodrigues, entre elas Governador Valadares.

Foram doados mais de 15 mil litros de água e outros mantimentos, que saíram para ser entregues em Governador Valadares no mesmo dia, num caminhão cedido pelo empresário Luis Antonio Ferreti, que chegou em seu destino no dia seguinte, 3 de dezembro.

“Quero agradecer ao Ferreti que emprestou o caminhão e o Maninho do Forró que foi dirigindo até Minas Gerais para levar os donativos, além de todas as pessoas e anônimos que fizeram doações: Aline, Ana Brandão, Analu Vanzo, Angelica Lian, Borracharia Cimadon, Carla Cidorna, Cristina Nolasco e Letícia, Dada, Ederlene e Dú Villava, Edinho Lala, Edivaldo dos Santos, Estevão França, Edson Elio Santana, Fausto Advogado, Fernanda e Jamir Turini, Flavia Foester,  Franciele, Gentil, Germano Capozio, Jarbas Pansani, Jefferson, João Felix, Joseana França, Le Pierine, Leia Leonan, Lilico e Leila, Liquinho Bergo, Lu Diniz, Luis Antonio Carvalho, Luizão Borracheiro, Lusiane, Luzia e Dedo, Maria do Bar, Mariana França, Mauricio Cassia, Monice Meneghetti, Odete Machado, Parceiros Móveis, Rafaela Machado, Robson Gomes da Silva, Rodolfo, Ronaldo Aparecido Ferreira, Sebastião Almeida (Tião Ressaca), Tânia, Tatu, Thiago França, Valter Antonio Novaes e o Zé Guardinha”, afirmou o empresário.

Nos trilhos, mas movido a lenha
O ex-prefeito Norberto de Olivério Junior afirma com muito orgulho o apoio político de Gilberto Kassab, ministro da presidenta Dilma, que quando foi nomeado, suspendeu o valor já aprovado de R$ 1,5 milhões para realização de asfaltamento e recapeamento de ruas da cidade de Santo Antônio de Posse. O mesmo ministro das Cidades e ex-prefeito de São Paulo que se tornou réu em ação civil pública movida pelo Ministério Público por improbidade administrativa, numa investigação que apura irregularidades e um esquema de pagamento de propina para que comerciantes obtivessem permissão para vender na Feirinha da Madrugada, local de comércio popular no centro de São Paulo. De acordo com a ação civil, agentes públicos deveriam ter agido “para impedir que a Feira da Madrugada se transformasse em ‘local sem lei’, mas nada fizeram, violando os princípios da legalidade e da moralidade administrativa, além do que o local foi mantido e custeado com dinheiro público sem nenhuma contrapartida pelos comerciantes, com evidente dado ao erário municipal”. O relator desembargador Borelli Thomaz disse que, no momento, são questionados apenas  “indícios suficientes” da conduta dos gestores e acolheu argumento do Ministério Público de que os réus Gilberto Kassab e Marcos Cintra “apenas observaram as práticas ilegais e nada fizeram para coibi-las de modo efetivo”. A defesa de Kassab vai recorrer.

Além disso, um projeto da administração que autorizava o Poder Executivo a celebrar convênio com o Tribunal de Justiçado Estado de São Paulo, onde seria disponibilizado espaço e pessoal para trazer o Fórum de Jaguariúna para Santo Antônio de Posse, foi rejeitado pela bancada de Bertinho. Votaram contra: Ednei Rodrigues Silva (Esquerdinha), João Messias Mariano, Dr. José Fernando Serra, Paulo José Rodrigues de Souza, Dr. Rafael Lanzi Vasconcellos e Valdemir Lopes da Silva (Mi Pedreiro).

Com a comarca de Jaguariúna abarrotada de processos, um projeto como a instalação do Fórum em Santo Antônio de Posse seria um grande avanço, pois os andamentos processuais teriam um grande salto, no entanto, parece que esses vereadores preferem o retrocesso.

  

Comentários