Educadores da Rede Municipal concluem curso de Contação de Histórias

Profissionais da rede municipal de ensino participaram nessa quinta-feira, na escola Parque dos Ipês, da última aula do curso “A arte de contar histórias”. A capacitação faz parte do projeto “Semeando Histórias”, criado no ano passado com o objetivo de incentivar o interesse de crianças e jovens pela leitura.

“O projeto foi apresentado em todas as unidades escolares e muitos educadores se encantaram”, contou o diretor municipal de Educação, Amarildo Boer. “Diante do interesse, percebemos que era preciso prepará-los para que estivessem aptos a fazer esse belo e importante trabalho com os alunos. O prefeito Dr. Fernando incentiva muito este tipo de iniciativa no município”.

O curso, idealizado e ministrado pelas educadoras da cidade Heloísa Towsend e Renata Porreca, começou em março e foi desenvolvido ao longo de oito encontros. Ele inclui dinâmicas de leitura, desenvolvimento de técnicas de linguagem corporal e verbal, ensina a escolher a história de maneira adequada e como interagir e atrair o público. A formatura, com entrega de certificados, está prevista para novembro.

“Narrar histórias é pura magia, é o encontro com o lúdico que nos faz viajar sem sair do lugar. Enquanto a narrativa se desenvolve vai despertando a curiosidade e o interesse pela leitura”, disse Heloísa, que explica também que a participação dos alunos é fundamental, interagindo com os profissionais por meio de dobraduras e músicas.

Para Renata, os benefícios da história contada são inúmeros para o desenvolvimento dos alunos. “Ela permite e incentiva a interação, desperta emoções e propicia a formação de vínculos afetivos entre as pessoas”, disse.

A aula desta quinta-feira abordou a importância da “arte das palavras” nas escolas e contou com a participação da filósofa e psicanalista Elaine Moraes. Ela tem experiência de 14 anos como contadora de histórias, é atriz, coordena na UNICAMP o projeto “Vivências da Carochinha”, de contação de histórias e mediação de leitura, voltado ao público infantil de escolas públicas da região. Ela também pesquisa e desenvolve métodos de Biblioterapia para o dia a dia de jovens, adultos, idosos e de pacientes em hospitais.

De acordo com Elaine, “contação” é importante tanto para o professor quanto para o estudante. “A criança está sempre esperando as informações chegarem.  O profissional vai ter esse momento prazeroso, lúdico e vai se aproximar mais do seu aluno, o que dá abertura para conhecê-lo melhor, favorecendo o laço de confiança entre eles”, explicou. “Isso reflete no interesse do estudante pelo conhecimento que aquele professor tem a oferecer”.

Cláudia Agostinho é professora do 2º ano da escola municipal Jardim das Primaveras. Ela acredita que a contação de histórias é mais uma ferramenta importante que vai auxiliar no trabalho com os alunos em sala de aula. “É algo lúdico e tudo o que parte da brincadeira é mais legal de aprender, mais gostoso. Faz com que a criança se interesse mais”, avaliou.

A diretora da creche Abelha Rainha, Mônica Marconato, fez o curso ao lado de quatro professoras da unidade de ensino e aprovou a iniciativa. “O curso foi muito bom. Deu bastante ferramenta e despertou o interesse, despontando em muitas pessoas algo que às vezes nem elas sabiam. Isso fez com que pensassem: ‘nossa eu tenho um baita potencial pra isso, consigo fazer isso com desenvoltura, com alegria’. Foi muito bom”, concluiu.

Matéria: ASCOM

  

Comentários