Em julho, emprego formal paulista ficou estável

Estudo do Seade com base em dados do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostra que, entre junho e julho, o número de empregos permaneceu relativamente estável no Estado de São Paulo e no Brasil.

As 301 mil demissões ocorridas no estado foram mais do que compensadas pelas 324 mil admissões, o que resultou na geração de 23 mil empregos (0,2%). De janeiro a julho, houve decréscimo de 350 mil empregos no estado, o que corresponde a 32% da redução de postos de trabalho formais no Brasil (-1,1 milhão, ou -2,8%).

Esse resultado deveu-se, principalmente, à utilização do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda que alcançou, desde abril, 5,1 milhões de empregos no estado. Desses, 1,1 milhão de novos acordos ocorreram em julho. Note-se que, nesse período, 2,2 milhões dos acordos (42%) corresponderam à suspensão do contrato de trabalho.

No ano, exceto pelas regiões de Araçatuba e Barretos, todas as regiões apresentaram redução do nível de emprego, destacando-se o município de São Paulo (-126 mil), demais municípios da Região Metropolitana de São Paulo (-84 mil) e a região de Campinas (-54 mil).

O Seade – Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados é a agência paulista de estatísticas que há mais de 40 anos coleta, analisa e dissemina dados sobre o Estado de São Paulo.

  

Comentários