Estudo da UFSCar aponta que deficiência de vitamina D aumenta o risco de incapacidade funcional em atividades instrumentais de vida diária em homens

Pesquisa analisou mais de 4,7 mil indivíduos com 50 anos ou mais

Deficiência da vitamina D aumentou em 43% o risco de incapacidade funcional de homens (Foto: Pexels)

Um estudo desenvolvido por pesquisadores dos departamentos de Fisioterapia (DFisio) e de Gerontologia (DGero) da UFSCar identificou que existe relação entre baixos níveis sanguíneos de vitamina D e o risco de desenvolver incapacidade funcional em atividades instrumentais de vida diária (AIVD) em homens.

A pesquisa foi desenvolvida por Mariane Marques Luiz, atual doutoranda em Fisioterapia pela UFSCar, sob orientação de Tiago da Silva Alexandre, docente do DGero da UFSCar e coordenador do International Collaboration of Longitudinal Studies of Aging (InterCoLAging), um consórcio de estudos longitudinais, que abrange o English Longitudinal Study of Ageing (Estudo ELSA), um grande estudo longitudinal de saúde dos idosos da Inglaterra. O estudo também contou com a participação de pesquisadores da University College London (UCL) no Reino Unido.

As AIVD são atividades cotidianas que exigem um maior nível de complexidade e atenção durante sua execução, como por exemplo as atividades domésticas, o gerenciamento de finanças, capacidade de utilizar meios de transporte e de comunicação. Essas atividades são fundamentais para a manutenção da capacidade funcional de idosos, que reflete a habilidade de atender, de forma independente, às demandas físicas do dia a dia.

De acordo com os pesquisadores, estudos anteriores já identificaram que baixos níveis sanguíneos de vitamina D prejudicam a capacidade funcional, porque comprometem o desempenho nas atividades básicas de vida diária (ABVD), que são aquelas relacionadas com autocuidado como comer, tomar banho e vestir-se. No entanto, ainda não tinha sido verificado se a deficiência de vitamina D também estaria associada com maior risco de desenvolver incapacidade especificamente nas AIVD. Segundo Mariane Luiz, “a pesquisa teve como objetivo investigar se a deficiência de vitamina D era um fator de risco para desenvolver incapacidade em AIVD e verificar se esse risco se dava de forma distinta entre homens e mulheres”.

Para tanto, foram avaliados 4.768 indivíduos ingleses participantes do Estudo ELSA, com 50 anos ou mais, que não apresentavam dificuldade em nenhuma das seguintes AIVD: gerenciar finanças, utilizar meios de transporte, fazer compras, preparar refeições, usar o telefone/meios de comunicação, gerenciar medicamentos e realizar tarefas domésticas. Os indivíduos tiveram seus níveis de vitamina D no sangue classificados como suficiente, insuficiente ou deficiente e tiveram outras informações coletadas como dados socioeconômicos, hábitos de vida e condições de saúde. Após quatro anos de acompanhamento, esses indivíduos foram reavaliados para verificar se houve o desenvolvimento de dificuldade para realizar uma ou mais das AIVD. De acordo com a autora do estudo, no final dos quatro anos de acompanhamento, não foi encontrada nenhuma associação entre deficiência de vitamina D e incidência de incapacidade em AIVD para as mulheres. No entanto, a deficiência de vitamina D aumentou em 43% o risco de desenvolver incapacidade em homens.

Tiago Alexandre explica “que a vitamina D possui uma ação importante para o funcionamento dos músculos e, quando seus níveis estão baixos, leva à fraqueza e atrofia muscular, o que compromete o desempenho nas atividades cotidianas, repercutindo em dificuldade nas AIVD”. Também aponta que “a vitamina D desempenha uma ação protetora no sistema nervoso central e há evidências de que a sua deficiência favorece o declínio cognitivo, o que pode explicar o pior desempenho nas AIVD, uma vez que se tratam de atividades que precisam da capacidade cognitiva preservada”.

Os autores sugerem que os resultados encontrados apenas para os homens possivelmente ocorrem devido à associação entre vitamina D e a testosterona. “Os homens sofrem uma maior atrofia das fibras musculares do que as mulheres devido à redução dos níveis de testosterona com o envelhecimento. Uma vez que a vitamina D contribui para a produção de testosterona, a sua deficiência pode intensificar a atrofia muscular nestes indivíduos”, relatam. Os pesquisadores acrescentam que a testosterona tem um efeito protetor sobre a capacidade cognitiva e a redução de seus níveis, que é intensificada pela deficiência de vitamina D, pode favorecer o declínio cognitivo mais precocemente em homens. “Assim, o pior desempenho muscular e cognitivo nestes indivíduos pode estar associado à incapacidade em AIVD”, apontam Mariane Luiz e Tiago Alexandre.

A pesquisa concluiu que a deficiência de vitamina D representa um indicador precoce do comprometimento funcional em idosos e os autores reforçam que essa deficiência é uma condição modificável. Além disso, destacam que o monitoramento dos níveis de vitamina D pode ser uma estratégia para prevenir a dificuldade nas AIVD e impedir o desenvolvimento de incapacidade em idosos.

Os autores alertam que os resultados encontrados podem ser semelhantes no cenário brasileiro e que a avaliação dos níveis de vitamina D deve ser realizada através da mensuração das concentrações de 25-Hidroxivitamina D (25OHD) no sangue. Apesar da principal fonte de vitamina D ser a exposição ao sol, quando seus níveis estão deficientes, a suplementação de vitamina D deve ser uma estratégia de tratamento, precisando ser prescrita somente por nutricionistas e médicos.

O estudo teve financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Recentemente, a pesquisa foi publicada na Nutrients, conceituada revista na área de Nutrição. A íntegra do artigo pode ser acessada neste link (https://bit.ly/3zu3Z0e).

  

Comentários