Exposição “Todos Podem ser Frida” começa na próxima terça-feira no Teatro Municipal de Jaguariúna

A cidade de Jaguariúna recebe a famosa exposição interativa “Todos Podem ser Frida”, a partir do dia 27 de novembro, terça-feira, no Teatro Municipal com entrada gratuita.

Os visitantes poderão ter acesso a uma das mais importantes exposições itinerantes que faz parte do Museu da Diversidade Sexual que é um projeto criado pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo que promove e incentiva a cultura de paz e respeito pelas diferenças.

A mostra foi idealizada pela fotógrafa Camila Fontenele, sendo composta por retratos de pessoas caracterizadas como a artista plástica Frida Kahlo, contando a vida dela por meio de cinco fragmentos fotográficos: amor, dor, inteiro, cores e aborto. Nos ensaios apresentados, há a inversão de gênero, sendo utilizados modelos masculinos nos papéis femininos

Na exposição que fica em Jaguariúna até o final de dezembro, os participantes ainda terão a chance de interagir com esse contexto artístico, podendo se fantasiar com adereços que fazem alusão à mexicana, explorando a questão da diversidade, sem preconceitos ou tabus.

“É muito expressivo para nossa cidade receber essa exposição que é um grande sucesso em todo o estado, levando a oportunidade de conhecimento da história de Frida Kahlo e discussões em torno da diversidade. Esperamos que os moradores da nossa cidade aproveitem essa chance e entrem nesse clima, sem receios. Todos, independentemente da opção sexual, idade ou interesses poderão entrar nessa brincadeira, se fantasiar, tirar fotos e ter acesso à cultura de qualidade”, comemora a secretária de Turismo e Cultura de Jaguariúna, Maria das Graças Hansen Albaran Santos.

A exposição acontece sempre de terça à sexta-feira, das 13 às 16 horas. Os participantes poderão tirar fotos caracterizados de Frida e postar nas redes sociais com a hashtag “#todospodemserfrida”.

FRIDA KAHLO

A pintora mexicana se tornou um dos principais símbolos dos direitos humanos, principalmente pela luta que teve pela igualdade entre mulheres e homens. Surge ainda como uma figura de celebração da diversidade humana, incluindo a visibilidade de pessoas com deficiência, diferentes raças e etnias, gêneros e identidades, conforme destacado pela própria organização da Exposição. Mais informações em www.todospodemserfrida.com

 


Comentários