História de Itapira é tema de palestra no Pedro Ferreira Cintra

Na manhã desta quarta-feira, dia 18 de outubro, o coordenador do Museu Histórico e Pedagógico ‘Comendador Virgolino de Oliveira’, Eric Apolinário, ministrou uma palestra sobre a história do município para os alunos do 9º ano da Escola Estadual Pedro Ferreira Cintra. O convite foi feito pela professora Tânia Scarme.

Apolinário iniciou sua explanação contextualizando os alunos sobre como era formada a região de Mogi Mirim no século XVIII, as tribos indígenas que viviam próximas aos rios, as incursões dos Bandeirantes e a formação de pequenas vilas utilizadas como parada para as tropas que seguiam rumo a Minas Gerais. Falou também sobre a tradição da ideia de “pai fundador”, “pioneiros”, no caso de Itapira: João Gonçalves de Morais e Manuel Pereira da Silva.

Através de slides, Apolinário explicou sobre a transição, já no século XIX, de um bairro rural chamado Macucos, pertencente à Mogi Mirim, com pequenas propriedades agrícolas de famílias portuguesas que se uniram em um tímido núcleo urbano, dando origem a Vila de Nossa Senhora da Penha de Mogi Mirim, até a vinda de grandes fazendeiros produtores de café, tornando-se cidade com o nome de Penha do Rio do Peixe, onde são erguidas uma igreja em honra a Nossa Senhora da Penha e uma Casa de Câmara e Cadeia.  Os alunos receberam informações de como a cidade de Penha do Rio do Peixe cresceu economicamente utilizando a mão de obra escrava de e como grandes fazendas produtoras de café inflaram a economia local, trazendo, por exemplo, a ferrovia para a cidade.

Para encerrar a palestra, que durou cerca de 50 minutos, Eric Apolinário falou sobre o assassinato do delegado Joaquim Firmino de Araújo Cunha, conhecido nacionalmente como “O Crime da Penha”, mostrando como este fato causou tamanho impacto, levando os vereadores a trocarem o nome da cidade, tornando-se assim, em 1890, Itapira.

Matéria: ASCOM

  

Comentários