Holambra tem o 5º melhor Índice de Sustentabilidade da Limpeza Urbana da RMC

Holambra ficou com a quinta melhor pontuação da Região Metropolitana de Campinas na 3ª edição do Índice de Sustentabilidade da Limpeza Urbana (ISLU). Criado em 2016, o estudo tem como principal objetivo mensurar o grau de aderência dos municípios do país às metas e às diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

A principal base de dados que alimenta o modelo estatístico utilizado pelo ISLU é o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), que disponibilizou em 2018 dados referentes à gestão de resíduos sólidos de 2016. Fazem parte do estudo 3.374 cidades brasileiras. É a primeira vez que a Capital Nacional das Flores participa e o índice obtido foi de 0,711 – sendo que quanto mais próximo de 1, mais o município avaliado aderiu às premissas da PNRS na gestão dos serviços de limpeza urbana.

Das 18 cidades da RMC que fazem parte do levantamento, Holambra fica atrás apenas de Cosmópolis (0,732), Itatiba (0,721), Jaguariúna (0,717), Nova Odessa (0,715), Indaiatuba (0,715) e Campinas (0,715). Paulínia e Vinhedo não fazem parte do estudo. A avaliação é feita a partir do desempenho das cidades em quatro dimensões:  engajamento do município, sustentabilidade financeira, recuperação dos resíduos coletados e impacto ambiental.

“Holambra tem um trabalho forte nesse sentido. A coleta de lixo está plenamente regularizada, disponibilizamos caçambas para descarte de lixo verde, avançamos com o sistema de coleta seletiva e fazemos gestão ambientalmente adequada dos chamados resíduos de logística reversa”, explica Nilson Marconato, diretor do departamento municipal de Agricultura e Meio Ambiente. “Temos obtido nos últimos anos resultados muito positivos no que diz respeito à gestão e preservação ambiental”.

A PNRS, usada como base para a atribuição de notas, contém instrumentos importantes para permitir o avanço necessário ao país no enfrentamento dos principais problemas ambientais, sociais e econômicos decorrentes do manejo inadequado dos resíduos sólidos. O estudo completo, feito pelo Sindicato Nacional das Empresas de Limpeza Urbana (SELURB) em parceria com a empresa de consultoria PricewaterhouseCoopers (PwC), está disponível em:https://selur.org.br/publicacoes/islu-indice-de-sustentabilidade-da-limpeza-urbana-para-os-municipios-brasileiros-3a-edicao-2018/.

Dimensões avaliadas:

Dimensão E – Engajamento do Município: Nesta dimensão são avaliados dois tópicos para compor a nota: O Desenvolvimento Econômico e Social da população e a Cobertura do Serviço de Coleta. Holambra ficou com pontuação de 0,853. Resultado considerado “Muito Alto”.

Dimensão S – Sustentabilidade Financeira: Nesta dimensão é avaliada a autonomia financeira do município diante dos esforços para a prestação de serviços de limpeza urbana e para o manejo de resíduos sólidos. Holambra ficou com pontuação de 0,81. Resultado considerado “Muito Alto”.

Dimensão R – Recuperação dos Resíduos Sólidos Coletados: Nesta dimensão é avaliada justamente a adesão da cidade às premissas estabelecidas na PNRS quanto ao estímulo à recuperação de materiais recicláveis. Holambra ficou com pontuação de 0,112.

Dimensão I – Impacto Ambiental: Nesta dimensão, verifica-se a geração do passivo ambiental da cidade por meio do cálculo do volume de resíduos despejados inadequadamente em lixões ou aterros controlados. Holambra recebeu a avaliação máxima nesse quesito (1).

—–

Matéria e Fotos: ASCOM

 


Comentários