IBGE e Prefeitura acertam parceria para o Censo Demográfico 2020

Começaram os preparativos para o Censo 2020. Na quinta-feira, dia 20, profissionais do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) se reuniram com o prefeito Walter Caveanha para discutir as diretrizes do trabalho deste levantamento.

Participaram da reunião os secretários de Planejamento e Desenvolvimento Urbano, Luiz Henrique Bueno Cardoso, e de Comunicação Social, Paulo Henrique Tenorio, o chefe da Agência do IBGE de Mogi Mirim, Danilo Bossarino, e a agente de Pesquisa e Mapeamento, Karina de Araujo.

Essa fase de preparação de mapas e verificação de possíveis atualizações de legislações municipais é fundamental para o sucesso do Censo. Afinal, a Prefeitura possui informações confiáveis dos descritores de divisas, mapas e cadastros – que refletem melhor a realidade local, evitando omissões e duplicidades na cobertura da área do município, agilizando a coleta e reduzindo os custos da operação censitária.

No começo de 2020, além desse trabalho de atualização, haverá a realização de Processos Seletivos para a contratação de recenseadores e supervisores censitários que atuarão nas cidades de Mogi Guaçu, Mogi Mirim, Santo Antônio de Posse, Itapira, Estiva Gerbi e Conchal. Estes são municípios sob a supervisão da agência regional do IBGE, instalada em Mogi Mirim.

Retratar o Brasil que entrará na próxima década é um desafio para o IBGE. Como as informações do Censo Demográfico podem ajudar a cada brasileiro? A partir do momento em que cada família responde o questionário, ela não só retrata sua realidade, mas, junto com outros brasileiros, ajuda a formar um perfil de quantos somos, como vivemos e o que queremos melhorar no país.

A sociedade é beneficiada com os resultados da pesquisa porque ajuda: na seleção de locais para a instalação de fábricas, supermercados, shopping centers, escolas, creches, cinemas, restaurantes, lojas; na análise do perfil da mão-de-obra brasileira, instrumento fundamental para sindicatos, associações profissionais e entidades de classe; na análise acadêmica do perfil sociodemográfico e econômico da população e sua evolução entre 2010 e 2020; e na reivindicação dos cidadãos por maior atenção do governo municipal ou estadual para problemas específicos: expansão da rede de água e esgoto, expansão da rede telefônica, acesso à internet etc.

Os dados serão utilizados em programas e projetos que vão contribuir para: acompanhar o crescimento, a distribuição geográfica e a evolução das características da população ao longo do tempo; identificar áreas de investimentos prioritários em saúde, educação, habitação, transportes, energia, programas de assistência a crianças, jovens e idosos; selecionar locais que necessitam de programas de estímulo ao crescimento econômico e desenvolvimento social; fornecer referências para as projeções populacionais com base nas quais é definida a representação política no País, indicando o número de deputados federais, deputados estaduais e vereadores de cada estado e município; e fornecer subsídios ao Tribunal de Contas da União para o estabelecimento das cotas do Fundo de Participação dos Estados e do Fundo de Participação dos Municípios.

  

Comentários