Lentamente, a causa protetiva dos animais avança.

 

É inquestionável que estamos avançando, haja vista as palestras educativas e artigos em jornais e revistas

Lembro-me bem que quando eu era um menino ainda, não havia caminhões de coleta de lixo e o mesmo era conduzido em carroças tracionadas por burros e a maioria da sociedade não se preocupava com isso.

Eu já sentia pena desses infelizes animais, uma vez que carregavam enorme peso e muitos morriam de exaustão. Eu residia em uma rua que era uma ladeira e, quando a carroça passava, descendo para a rua principal, eles iam escorregando e a garotada ria muito.

Eu jamais ri, pois imagina o pior, ou seja, uma queda que pudesse levá-los à fratura das patas, costelas ou à morte. Graças a Deus, hoje, não é mais assim!

Apesar da causa protetiva aos animais caminhar lentamente, não podemos negar que já obtivemos alguns avanços, haja vista o trabalho de conscientização e leis protetivas, modificando paradigmas, sensibilizando as pessoas que não mais aceitam a crueldade e a exploração deles.

É bem verdade que as leis específicas precisam ser aperfeiçoadas, punindo rigorosamente aqueles que ainda insistem em maltratá-los.

Nos dias atuais, um animal, seja ele qual for, é respeitado por grande parte da sociedade, visto e entendido como ser senciente e quando é maltratado nas ruas de nosso país, alguém sensível à defesa da fauna, logo intervém.

Sem dúvida, avançamos, embora tenhamos muita estrada pela frente a caminhar.

É um processo contínuo e inexorável.
Muitos deles integram nossas famílias, ajudando muito, tais como cães-guia, cavalos que conduzem crianças no tratamento auxiliar contra o autismo, cães no auxílio à procura de corpos em desabamentos e incêndios, catástrofes generalizadas, cães farejadores no auxílio à Polícia, além dos que residem em nossos lares, sendo integrantes de nossas famílias, amados como filhos.

Naturalmente, não posso esquecer dos gatos e até pássaros, embora eu não seja favorável aos mesmos presos em gaiolas. É impensável admitir uma ave presa nessa situação para satisfazer o desejo de algumas pessoas que ainda não evoluíram como um todo, apreciando-os, como se fossem mercadorias ou coisas.

É preciso um pouco de compaixão.

REINÍCIO DAS AULAS
Época em que reiniciarei as palestras em escolas e universidades
Em breve, reiniciarão as aulas e espero retornar às palestras educativas nas escolas e faculdades.

Para isso, terei que agendar data e, principalmente, convencer diretorias de escolas, uma vez que, infelizmente, ainda há um pouco de resistência quando o assunto é a senciência e direitos dos animais.

Ainda estamos longe de o assunto tornar-se obrigatório e interdisciplinar, coligado aos estudos sobre meio ambiente.

Todavia, idealista que sou, sempre insistirei na questão, pois é minha vocação e desiderato ensinar o melhor que aprendi, estudando continuamente a senciência e direitos dos animais.

Palestras educativas são consideradas estudos transversais, de acordo com a lei federal 9394/96, alusiva à educação.

POSSIVELMENTE, VOLTAREI A SER ARTICULISTA DA AMAERJ
Em fevereiro, terei reunião com o magistrado e presidente eleito dessa instituição – defesa dos animais. Inclusive, no mês que se aproxima, fevereiro, terei a singular oportunidade de conversar com o presidente da Amaerj – Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro que será empossado no dia 07.

Tentarei convencê-lo a voltar a ser articulista dessa importante instituição, o que robustece a causa que abraço com fervor e muita dedicação. Já entrei em contato com ele que autorizou-me agendamento para nossa conversa.

Modéstia à parte, sou o único defensor dos animais que obteve a oportunidade de tornar-se articulista dessa instituição em 2015, levando informações à magistratura, o que é fundamental para nossas pretensões de mudança de paradigmas, afinal, são os magistrados que prolatam sentenças e tenho ciência que alguns deles gostam muito dos animais.

Agora, outro presidente e mais uma chance para mim. Assim que eu obtiver resultado positivo ou negativo, com certeza, informarei a vocês, meus ilustres leitores(as)!

Vamos em frente, pois os animais dependem de todos nós!

Gilberto Pinheiro é jornalista, palestrante em escolas, universidades, destacando a senciência e direitos dos animais.

 


Comentários