fbpx

Minibiblioteca doada para escola do Assentamento Sepé Tiaraju impulsiona a leitura de agricultores e estudantes

A Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP), promoveu em 2015 um evento na Escola Ilka Monici Vilela dos Reis, em Serra Azul, SP, para doação de uma minibiblioteca para essa escola rural. Localizada no Assentamento Sepé Tiarajú, atende aos filhos das famílias dos assentados dos Núcleos Chico Mendes, Dandara, Zumbi dos Palmares e Paulo Freire, cada um com aproximadamente 20 famílias.

O evento contou com o apoio do Secretário Municipal da Educação e da Prefeita de Serra Azul, além dos parceiros Cooperecos, Cooperaagrosepé e Fraterra, cooperativas atuantes no assentamento.

O representante da Embrapa Meio Ambiente foi o pesquisador Luiz Octávio Ramos Filho, coordenador de vários projetos em assentamentos rurais da região, inclusive no Sepé Tiaraju, com pesquisas que beneficiam os agricultores por meio de sistemas agroflorestais agroecológicos. Esta iniciativa contou ainda com o apoio de parceiros institucionais, como o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS).

No dia da doação, os 98 alunos da escola realizaram uma apresentação de canto e tiveram o prestígio da presença de seus pais, todos agricultores.

O conjunto de materiais didáticos – cartilhas, livros ilustrados e recursos audiovisuais (vídeos e CDs) da minibiblioteca, que foram desenvolvidos por diversas Unidades da Embrapa, cujos temas abrangem questões agropecuárias e ambientais. A ação pretende mobilizar iniciativas de popularização da ciência e de democratização do acesso às informações técnicas geradas pela pesquisa agropecuária para populações rurais e comunidades tradicionais de todo o país.

Conforme Myrian Ramos, analista do Setor de Transferência de Tecnologia da Embrapa Meio Ambiente, “a partir dessa doação, poderemos montar uma série de cursos com o objetivo de aprofundar as discussões sobre demandas e necessidades reais dos agricultores, sempre visando o desenvolvimento rural sustentável e a difusão do conhecimento no assentamento rural”.

Professores, estudantes e agricultores têm acesso a esse acervo que estimula a leitura, contribuindo, assim, para o desenvolvimento sustentável da comunidade rural.

Para Elaine Garcia, diretora da escola, “é a conquista do povo do assentamento. Suas lutas foram muitas e essa biblioteca veio para trazer mais conhecimento aos seus filhos. A nossa proposta pedagógica visa à integração da família, comunidade e escola, na busca de um futuro melhor no campo, onde todos sejam unidos por um mesmo ideal: concretizar na comunidade o desenvolvimento da Agroecologia, praticando técnicas de agrofloresta, de hortas agroecológicas, além dos viveiros para reflorestamento das regiões de nascentes e rios”.

bibli

Resultados

Em uma avaliação com as crianças, realizada pela diretora, professores e pesquisadores da Embrapa, foi observado que a minibiblioteca impulsionou a leitura de forma muito positiva, trouxe motivação para as crianças e as suas famílias, com a retirada de muito livros, principalmente nos temas arroz e feijão – o par perfeito, frutas, conserva de frutas e receitas, além de livros infantis.

Notou-se também que pais e mães também solicitaram livros pelos estudantes. Com isso, foram realizadas reuniões e encontros com a comunidade, para avaliar o interesse em assuntos capazes de promover o desenvolvimento rural sustentável. Assim, foi sugerido um programa de cursos que serão implementados ainda este ano, informa Myrian. No primeiro, em 12 e 13 de maio, que coincide com a comemoração do dia das mães na escola, será sobre reaproveitamento alimentar.

Para isso, explica Myrian, “buscamos uma parceria com a Faculdade de Nutrição da Universidade de São Paulo, campus de Ribeirão Preto, onde discutiremos a alimentação na escola e na família, iniciando discussões sobre a forma de utilização de mandioca e banana”.

Em virtude das parcerias firmadas pela Embrapa Meio Ambiente com prefeituras, instituições de extensão rural e projetos governamentais, a Minibiblioteca hoje disponível dentro de um assentamento de reforma agrária, estimula os diálogos e viabilizam a mediação de saberes locais com conteúdo científicos, favorecendo, dessa forma, tanto a partilha, quanto a construção de novos conhecimentos”, enfatiza Myrian.

Projeto

A equipe de agroecologia da Embrapa Meio Ambiente trabalha no assentamento Sepé Tiaraju desde 2005, em parceria com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), cooperativa dos agricultores e ONG Mutirão Agroflorestal.

O projeto “Fortalecimento do uso de sistemas agroflorestais como alternativa de produção sustentável no Assentamento Sepé Tiaraju”, sob coordenação do pesquisador Luiz Octávio Ramos Filho, conta ainda com a parceria de outras duas organizações – Cooperagrosepé e Fraterra, além de instituições de assessoria, como a Unesp de Jaboticabal e Instituto Biossistêmico (IBS-Incra).

Matéria: Cristina Tordin

  

Comentários