Mutirão contra dengue visita mais de 800 imóveis e Saúde faz balanço das ações em Jaguariúna

A Secretaria de Saúde da Prefeitura de Jaguariúna realizou no sábado, 29, mais um mutirão de combate aos criadouros do mosquito Aedes Aegypti, transmissor de doenças tropicais como dengue, febre amarela urbana, febre chikungunya e zika vírus. Dessa vez, os agentes de saúde visitaram 829 imóveis, entre casas e estabelecimentos comerciais em dois bairros: Vila Miguel Martini e Vila Guilherme.

O trabalho consiste em inspecionar quintais e o interior das casas, sempre acompanhado por um morador, a quem são passadas as informações básicas sobre como evitar que haja acúmulo de água em locais ou recipientes deixados ao relento. “Uma quantidade mínima de água mais ou menos limpa e parada serve de criadouro para a fêmea do Aedes botar ali os seus ovos”, reforça a secretária de Saúde,n Maria do Carmo de Oliveira Pelisão.

Segundo ela, foram coletadas duas amostras de larvas que foram encaminhadas para exame em laboratório, enquanto o apoio dado pela Secretaria de Obras e Serviços resultou em dois caminhões de entulho recolhidos durante o mutirão. Nessa atividade o trabalho de campo é focado no combate à dengue, por ser uma doença cujo avanço é maior nas cidades.

O balanço mais recente da Secretaria de Saúde mostra que de janeiro a junho foram notificados 351 casos da doença em Jaguariúna. Desse total 110 foram confirmados, sendo 74 casos autóctones (quando a doença é contraída na própria cidade), 15 importados (quando a contaminação ocorreu em outra cidade, região ou até mesmo em outro estado) e há outros 21 ainda indeterminados, ou seja, sem definição.
“Também estamos com 186 casos de dengue sendo investigados e outros 55 já foram descartados por serem casos negativos. Quanto à febre chikungunya, tivemos duas notificações, sendo que um caso está sendo investigado e o outro já foi descartado (deu negativo). Já do zika vírus não temos nenhum registro de caso”, informa. Conforme a secretária, Jaguariúna não registrou mortes provocadas por essas doenças.

  

Comentários