Pedreira tem um dos menores índices de contaminação do COVID-19 da Região Metropolitana de Campinas

Uma nota técnica do Observatório PUC-Campinas, divulgada na última semana, revelou que a cidade de Pedreira tem um dos menores índices de incidência de casos de coronavírus na Região Metropolitana de Campinas, em termos relativos. Com a ascendência registrada, Campinas apresenta a pior média da região em casos absolutos para cada 100 mil habitantes, junto aos municípios de Morungaba e Paulínia.

As taxas de casos confirmados e óbitos por 100 mil pessoas, anteriormente entre as mais baixas do país, indicam comportamento crescente de contágio em toda a região: a média de casos nos 20 municípios que integram a RMC, antes de 42,6 para cada 100 mil habitantes, subiu para 57,94 num período de sete dias. No Estado de São Paulo e no Brasil, as médias são de 66 e 110,7 casos, respectivamente.

O aumento exponencial dos casos na região, que causa preocupação nas autoridades de saúde municipais e do Estado, reforça a necessidade de medidas de contenção. A efetividade da contenção dos casos e mortes vai depender, necessariamente, da capacidade de estrutura da saúde regional, da conscientização da população e da eficiência das medidas de isolamento social, como aponta a maioria dos especialistas no Brasil e no mundo.

O Observatório PUC-Campinas, lançado no dia 12 de junho de 2018, nasceu com o propósito de atender às três atividades-fim da Universidade: a pesquisa, por meio da coleta e sistematização de dados socioeconômicos da Região Metropolitana de Campinas; o ensino, impactado pelos resultados obtidos, que são transformados em conteúdo disciplinar; e a extensão, que divide o conhecimento com a comunidade.

A plataforma, de modo simplificado, se destina à divulgação de estudos temáticos regionais e promove a discussão sobre o desenvolvimento econômico e social da RMC.  As informações, que englobam indicadores sobre renda, trabalho, emprego, setores econômicos, educação, sustentabilidade e saúde, são de interesse da comunidade acadêmica, de gestores públicos e de todos os cidadãos.

  

Comentários