Vigilância Epidemiológica faz alerta sobre o combate ao Aedes aegypti

Com o aumento das temperaturas e, paralelamente, com a proximidade do período de maior pluviosidade, a preocupação com a proliferação do Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika vírus e chikungunya, volta à tona. A combinação de chuva e calor é propícia para a reprodução do mosquito.
Para a bióloga da Vigilância Epidemiológica (VE) de Mogi Guaçu, Cristiana Folchetti Monteiro Ferraz, o combate a este vetor, que sempre foi executado ininterruptamente pelos agentes da Secretaria Municipal de Saúde, acabou ficando em segundo plano em função das novas ações que foram assumidas por conta do combate a pandemia da Covid-19, desde 2020.
“Devido a necessidade de manter distanciamento social, as visitas da Vigilância Epidemiológica passaram a ser feitas apenas no entorno das casas, sem adentrá-las e sempre orientando os moradores de como proceder em todo o imóvel. A quantidade de visitas também teve que ser diminuída e em muitas residências não pudemos fiscalizar pelo fato de terem pessoas em isolamento por conta do novo coronavírus”, contou.
Em 2021, segundo dados da VE, foram notificados 930 casos de dengue, sendo 64 positivos. “Estamos sem casos positivos desde maio e, ainda, no primeiro semestre tivemos apenas três notificações de chikungunya e outros dois de zika, sendo todos estes cinco casos negativos. Mas devemos sempre manter o alerta”.
Por isso, a bióloga ressalta ser necessário o retorno, o mais breve possível, das intervenções assíduas e mais eficazes de combate à dengue, zika e chikungunya. “Com o decréscimo dos casos da Covid-19, aguardamos novas instruções do Ministério da Saúde quanto a parte técnica e a possibilidade de aumento das visitas”, ressaltou.
De acordo com ela, as ações realizadas no momento são de visitas a pontos estratégicos dos locais cadastrados com criadouros, tais como, borracharias, depósitos de sucata, entre outros, e em lugares com notificação de casos das doenças. “Estas visitas também sofreram grande diminuição neste ano devido a poucas notificações”.
Também estão sendo visitados os imóveis desocupados com notificação aos proprietários para abertura do mesmo, via jornal e correspondência. “É importante que os proprietários observem seus imóveis e, assim, já eliminem possíveis criadouros, como lugares e objetos onde possam ficar água acumulada”.
É importante destacar que pessoas que apresentarem sintomas, como febre, dor de cabeça e dor no corpo, devem procurar a unidade de saúde mais próxima de sua casa.
Dicas de Prevenção à Doença
Eliminar focos de água parada
Manter pratos de vasos de flores e plantas com areia
Guardar garrafas com a boca virada para baixo
Limpar sempre as calhas dos canos
Não jogar lixo em terrenos baldios
Colocar o lixo sempre em sacos fechados
Manter baldes, caixas d´água e piscinas sempre tampados

  

Comentários