Benefícios da continuidade do uso das máscaras de proteção respiratória

J.A.Puppio*

A queda de temperatura acentuada nas estações mais frias do ano (outono e inverno), provoca o aumento da circulação de novos vírus e bactérias, que resultam na elevação dos casos de doenças respiratórias.

Além do maior número de casos de gripe, resfriados, rinites, sinusites, pneumonia, vive-se a expectativa e acompanhamento para possível aumento de infectados pelo novo coronavírus (Covid-19), devido as diversas variantes que tendem a surgir nessa época do ano.

Além da importância de nos prevenirmos, mantendo ambientes arejados, organismo hidratado, lavar as mãos com frequência e estar em dia com as vacinações, o uso de máscaras de proteção continua sendo um importante e eficaz aliado na prevenção e disseminação das doenças respiratórias.

Embora pouco comum em nosso país, o uso de máscaras é algo corriqueiro e faz parte do cotidiano da população asiática, desde os tempos da gripe espanhola, ocorrida em 1918. O comportamento ainda é novo no Brasil, mas essencial para se proteger e evitar a proliferação de doenças como o Sarampo, que recentemente sofreu aumento vertiginoso de casos.

Em termos comparativos, em 2020, no auge da pandemia, foram registrados no estado de São Paulo apenas 5 casos da doença. O baixo número de infectados é atribuído ao uso de máscaras.

Apesar da liberação no uso obrigatório do item, nota-se uma mudança no comportamento, ainda que tímida, dos brasileiros. Auxiliando como uma barreira, a correta utilização evita a transmissão por gotículas que saem da boca e do nariz quando conversamos, tossimos ou espirramos, que são impedidas de adentrar na parte de dentro da máscara.

Objeto que se tornou indispensável pro nosso dia a dia, dados comprovam que as máscaras foram responsáveis por evitar milhares de mortes durante a pandemia do Covid-19, principalmente no momento em que não existiam imunizantes contra o coronavírus.

Importante reforçar que a medida é efetiva somada aos hábitos diários de higiene, como a lavagem de mãos com água e sabão ou álcool 70%.

Ressalta-se também que a recomendação de uso continua, pois, após os altos índices de vacinação, muitas pessoas infectadas pelo coronavírus não apresentam sintomas características da doença, mas a transmitem da mesma forma, colocando em risco amigos e familiares.

A orientação destina-se também a idosos e grupos prioritários, como gestantes, pessoas com deficiências, comorbidades, trabalhadores da área da saúde, que estão mais expostos, e em toda rede hospitalar, como clínicas, e consultórios.

A máscara é extremamente segura, mas é sempre bom lembrar que a eficiência também está associada à sua correta higienização e utilização, tapando nariz e boca.

  

Comentários