Boa gestão feita desde janeiro garante licença definitiva da CETESB para o novo aterro

????????????????????????????????????

O trabalho de gestão ambiental realizado pela Prefeitura no novo aterro sanitário desde o início desse ano garantiu a conquista da Licença Operativa definitiva pela CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo). O documento tem validade até 08 de abril de 2026. “Ficamos imensamente felizes em receber essa licença definitiva. Tivemos a vistoria em março e devido todo trabalho realizado pela equipe nesses três meses conseguimos essa excelente avaliação dos técnicos que resultou nessa licença de uso pelo prazo de cinco anos”, comemorou o Prefeito Toninho Bellini.

Antes da licença definitiva, o aterro funcionava com uma licença provisória. Desde janeiro toda a equipe da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente empenhou-se no trabalho para garantir a qualidade do serviço e, consequentemente, a aprovação pelo órgão fiscalizador.

Uma das primeiras ações realizadas foi a destinação de equipamento e mão de obra própria para fazer a compactação dos resíduos sólidos, resultando em uma economia aos cofres públicos de aproximadamente R$ 500 mil ao ano que eram gastos com contratação de empresa especializada. Isso também permitiu que 100% da gestão de resíduos sólidos passasse a ser de responsabilidade da Administração Municipal.

Ao longo desses três meses também foram instalados piezômetros (instrumentos de medição de poropressão) em pontos específicos do aterro para a realização de leituras de pressões internas ao maciço de resíduos, obras de drenagem de água, controle e pesagem dos resíduos, análise da água do subsolo, manutenção de lagoas de chorume, dentre outras ações.

“Nossas ações no aterro continuam. Além de dar continuidade à gestão das duas primeiras células, também estamos trabalhando na terceira. Já estamos com nossa equipe empenhada em todos os processos necessários”, adiantou Bellini. Assim como feito na compactação, equipamentos e mão de obra própria também estão sendo utilizados no serviço de terraplenagem da terceira célula, gerando economia aos cofres públicos de aproximadamente R$ 1 milhão que seriam gastos com empresas contratadas para fazer o mesmo trabalho. “Além da preocupação com a gestão ambiental, também estamos gerindo financeiramente nossos recursos disponíveis e aproveitando nossa mão de obra própria e capacitada para esse tipo de serviço”, concluiu o Prefeito.

  

Comentários