Feminicídio é tema de mostra em homenagem ao “Dia Internacional da Mulher”

Discriminar mulheres em contexto discriminatório tem nome: é Feminicídio. No período de 8 a 17 de março, em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março, os Museus de Pedreira apresentam a mostra ‘Feminicídio: Mudança de Olhar – Mulher: Não fique calada, Denuncie’.

Desde o início do ano, levantamento indica mais de 100 casos de feminicídio, de acordo com o estudo feito pelo professor Jefferson Nascimento, doutor em Direito Internacional pela USP. As ocorrências aconteceram em 94 cidades, em 21 estados, sendo 68 casos que foram consumados e 39 tentados.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a cada 100 mil mulheres, 4,8 são assassinadas. Entre 2016 e 2017, o Brasil registrou ao menos 8 casos de feminicídio por dia. No total, foram 2.925 casos no país, um aumento de 8,8% em relação ao ano anterior. De acordo com a OMS Organização Mundial da Saúde, a cada 100 mil mulheres, 4,8 são assassinadas.

De janeiro a julho de 2018, o Ligue 180 registrou 27 feminicídios, 547 tentativas de feminicídio, sendo que os relatos de violência chegaram a 79.661 casos, visto que 63.116 foram classificados como violência doméstica. O ligue 180 recebeu as denúncias de violência e esclarece sobre os tipos de violências, tais como: violência física, doméstica, sexual, moral, patrimonial, obstétrica, no esporte, contra a mulher imigrante, emigrante e refugiada, cárcere privado e crimes cibernéticos. Dessa maneira, se identificar qualquer violência contra a mulher, ligue: 180 ou envie um e-mail para: ligue180@spm.gov.br.

Já de acordo com relatório divulgado pela ONU sobre feminicídio, destacou que 6 mulheres morrem a cada hora no mundo, ou seja, 130 mulheres são mortas diariamente por serem do sexo feminino. A Lei N.º13.104, de 9 de março de 2015, trata sobre os casos de feminicídio quando o crime envolve violência doméstica e familiar e menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

Pedreira no final de 2018 registrou um caso de feminicídio, onde um homem de 43 anos é suspeito de matar a funcionária de uma padaria por enforcamento. Mesmo encontrado ferido, ele confessou o crime e foi indiciado por feminicídio.

“O feminicídio é uma questão social e o ‘Violentômetro’ que integra a mostra é uma ação que visa alertar e conscientizar as mulheres sobre esse tema e principalmente lembrar a mulher que ela deve denunciar se for vítima de feminicídio, ou seja, ligue 180. É preciso acordar o olhar sobre a realidade vivida pela mulher e gerar uma consciência diferente a respeito do assunto, procurando ajuda e denunciando mesmo quando sofrer maus tratos e perceber que a violência já está presente, seja por ciúmes ou por controlar amizades e contatos via celular e redes sociais”, ressalta o Gestor de Exposições, Adílson Spagiari.

Os Museus Histórico e da Porcelana de Pedreira estão localizados na Praça Cel. João Pedro, 102, com funcionamento de segunda a domingo, das 9h às 12h e das 13h às 17h.

  

Comentários