Itapira enfrenta a crise com crescimento de empregos

Enquanto praticamente todos os municípios brasileiros encontram fortíssimas dificuldades na geração de empregos, Itapira vem combatendo as dificuldades impostas pela recessão nacional a abertura de novos postos de trabalho e um crescimento equilibrado em vários setores. O resultado é visível em diversas empresas locais, notadamente nas grandes geradoras, e em breve poderá resultar também em melhor arrecadação de ICMS no município.

Nesta semana, a Jampac, uma das empresas apoiadas pela administração municipal, completou seu primeiro ano de atividades com números expressivos. Atualmente, já são 240 funcionários no abatedouro e 80 toneladas de produção diárias. São marcos expressivos que tendem a crescer, uma vez que a empresa vem abrindo novos mercados a cada dia.

Como boas notícias muitas vezes se acumulam, o crescimento está sendo visto também na Estrela, que ampliou seu número de funcionários, chegando a um total de aproximadamente 1,2 mil, entre diretos e indiretos. Com isso, a empresa, que se enquadra entre as cinco maiores de Itapira, está sendo capaz de atingir metas de produção bastante significativas, para atendimento dos mercados nacional e internacional. Os resultados expressivos se mostram também na Dayco, que dinamizou e modernizou sua unidade local e hoje se prepara para ser um dos principais pólos da multinacional no Brasil. Na Usina Nossa Senhora Aparecida, o processo de reestruturação administrativa conduziu a um modelo de negócio ainda mais fortalecido, com uma geração de empregos que impacta fortemente o mercado local.

As notícias positivas estão presentes também no setor de máquinas agrícolas, um dos mais importantes de Itapira. Um retrato perfeito e bem acabado desta realidade foi observado durante a Agrishow, quando estiveram presentes empresas que representam a potencialidade do setor: MB Máquinas Agrícolas; Nogueira Máquinas Agrícolas; MFW; Incomagri; Imbil; Luma Implementos Agrícolas; Cremasco Máquinas Agrícolas; Pinheiro Máquinas Agrícolas e Dayco. Juntas, estas empresas, que empregam mais de 1,9 mil pessoas, faturam anualmente cerca de R$ 500 milhões. São números de porte que fortalecem o parque industrial itapirense.

Esta evolução do mercado itapirense é resultado de investimentos da iniciativa privada e, em parte, também de ações de apoio executadas pela administração municipal. “Com a diversificação do parque industrial de Itapira, incentivada por nós, e com outras ações a elas somadas, como o apoio à formação de mão de obra e à instalação de empresas, estamos combatendo a crise da melhor maneira que pode existir: com trabalho”, afirmou o prefeito José Natalino Paganini, destacando: “parabenizo o empresariado local por ser o principal condutor deste momento em nosso município e por se manter forte ante esta crise nacional, que não foi gerada nem pela indústria, nem pelo comércio e nem pelos prestadores de serviços. E parabenizo também nossos trabalhadores, que dão contínuas provas de dedicação ao crescimento de Itapira”. Paganini ainda ressalta: “é importante lembrar que este crescimento do emprego e renda acaba sendo positivo também para os demais setores da nossa economia, pois ajuda a fortalecer o comércio e a prestação de serviços, chegando até mesmo aos pequenos negócios”.

O resultado do crescimento do emprego em Itapira foi atestado mais uma vez, neste mês, pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho. Na microrregião, Itapira foi a única cidade que aumentou o número de empregados com carteira assinada, com crescimento de 3,88% neste ano, contra uma queda no Brasil de 0,95%.

Matéria: Celso Davoli

emprego

  

Comentários