Itapira participa de capacitação do Programa Criança Feliz

A Secretaria de Desenvolvimento Social de São Paulo promoveu entre terça, dia 20 de junho, e quarta-feira, dia 21, o 1º Seminário Regional do Programa Criança Feliz. A capacitação foi sediada na Fumep (Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba) e contou com a participação de 57 municípios das DRADS (Diretorias Regionais de Assistência Social) Mogiana, Campinas, Piracicaba e Sorocaba.

Itapira, que pertence à DRADS Mogiana, foi representada pelo secretário de Promoção Social Tiago Fontolan, pela diretora de Promoção Social Sílvia da Rocha Carvalho, pela coordenadora do CRAS (Centro de Referência da Assistência Social) Aline Ferreira Bueno e pela diretora da Rede Básica de Saúde Deise Cega.

A abertura do evento foi feita pelo secretário de Estado de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro e pelo prefeito de Piracicaba, Barjas Negri. Na mesa, além de outras autoridades, também estava a deputada estadual Maria Lúcia Amary, vice-presidente da ALESP (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo).

O programa Criança Feliz do Governo Federal tem o objetivo de promover o desenvolvimento integral das crianças na primeira infância, ao considerar sua família e seu contexto de vida. Seu público é formado por gestantes e crianças em situação de vulnerabilidade social que estão inseridos dentro de dois grupos: I – famílias com gestantes e crianças de até 36 meses beneficiárias do Programa Bolsa Família e crianças de até 72 meses beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social; e II – crianças de até 72 meses afastadas do convívio familiar em razão de aplicação de medida de proteção.

Dentre as ações que serão desenvolvidas constam visitas domiciliares, qualificação da oferta de serviços socioassistenciais e fortalecimento da articulação da rede. “A Assistência Social é uma das políticas que integra o ‘Criança Feliz’, que é um programa intersetorial e que envolve outras políticas públicas do município, dentre elas a Saúde e a Educação. O município terá agora que definir uma equipe de trabalho, que conta com coordenador, supervisor e visitadores”, complementou a diretora de Promoção Social.

Uma das exigências do programa é a disposição de um CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) com uma estrutura física adequada e várias atividades em andamento e contar com pelo menos 140 indivíduos do grupo prioritário do programa.

Na opinião do secretário de Promoção Social, o seminário ajudou a esclarecer parte das dúvidas dos municípios em relação à implantação do programa. “Algumas questões levantadas já foram respondidas e outras deverão ser esclarecidas no decorrer das próximas capacitações das equipes”, afirmou.

Matéria: ASCOM

  

Comentários