JAGUARIÚNA FICA EM PRIMEIRO LUGAR NA RMC E EM TERCEIRO DO ESTADO NO ÍNDICE PAULISTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

Jaguariúna começa o ano com uma ótima notícia. A cidade ficou em primeiro lugar na RMC no Índice Paulista de Responsabilidade Social (IPRS) 2019. O município também é o terceiro melhor entre as 645 cidades do Estado de São Paulo. O IPRS foi divulgado pela Assembléia Legislativa em parceria com a Fundação SEADE.

O Índice Paulista de Responsabilidade Social (IPRS) 2019 divide os 645 municípios do Estado em cinco grupos distintos, Dinâmicos, Desiguais, Equitativos, Em transição e Vulneráveis. Jaguariúna e apenas outros 112 municípios do Estado foram apontados como “Dinâmicos”.

Para definir em qual grupo cada município está classificado, o estudo avaliou 12 indicadores divididos em três dimensões: Riqueza, Longevidade e Escolaridade. Em Riqueza, Jaguariúna ficou com 53 pontos. No quesito Longevidade, a cidade alcançou a marca de 80 pontos. Já em Escolaridade, o município ficou com 77 pontos.

Conforme o ranking IPRS, dentro de uma escala de 0 a 100, a cidade que tiver pontuação acima de 39 é considerada de Alta Riqueza. O município com mais de 72 pontos é considerado de Alta Longevidade e, acima de 61, de Alta Escolaridade.

1º Lugar na RMC

Na soma de todos esses números, Jaguariúna atingiu a marca de 210 pontos e ficou com a liderança do ranking na Região Metropolitana de Campinas. Vinhedo, com 204 pontos, ficou em segundo. Paulínia, com 200 pontos, ocupou o terceiro lugar. Holambra, com 197 pontos, apareceu na quarta posição e Valinhos, com 194 pontos, fechou a lista dos cinco primeiros.

Outros 10 municípios da região também foram classificados como “Dinâmicos”. Vale ressaltar que a RMC conta com 20 cidades no total.

3º Lugar no Estado de São Paulo

Esses 210 pontos em Riqueza, Longevidade e Escolaridade, garantiram também a terceira melhor marca do Estado de São Paulo para Jaguariúna. A diferença para os líderes, São Caetano do Sul e Sebastianópolis do Sul, ficou em apenas dois pontos.

O IPRS

Para estabelecer o Índice Paulista de Responsabilidade Social, a Fundação Seade toma por base os mesmos critérios de desenvolvimento considerados pelo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), criado pela ONU.  O IPRS reflete o esforço dos municípios nas dimensões riqueza, escolaridade e longevidade, incluindo indicadores que caracterizam mudanças em um prazo mais curto.

Como são classificados os municípios de acordo com o IPRS

– Dinâmicos:  alta taxa de Riqueza e indicadores de Longevidade e Escolaridade com taxas entre média e alta.

– Desiguais: alta taxa de Riqueza com baixa e média Longevidade e alta Escolaridade ou baixa e média Escolaridade e alta Longevidade

– Equitativos: baixa taxa de Riqueza e Escolaridade e Longevidade entre média e alta

– Em transição: baixa taxa de Riqueza com baixa e média Longevidade e alta Escolaridade ou baixa e média Escolaridade e alta Longevidade

– Vulneráveis: baixas taxas de Riqueza, Escolaridade e Longevidade


RIQUEZA

– PIB per capita (25%)

– Remuneração dos empregados formais e benefícios previdenciários (25%)

– Consumo residencial de energia elétrica (25%)

– Consumo de energia elétrica na agricultura, no comércio e nos serviços (25%)

LONGEVIDADE

– Mortalidade perinatal (30%)

– Mortalidade infantil (30%)

– Mortalidade de pessoas de 15 a 39 anos (20%)

– Mortalidade de pessoas de 60 a 69 anos (20%)

ESCOLARIDADE

Proporção de alunos da rede pública com nível adequado nas provas de Língua Portuguesa e Matemática

– No 5º ano do ensino fundamental (31%)

– No 9º ano do ensino fundamental (31%)

–  Taxa de atendimento escolar na faixa de 0 a 3 anos (19%)

– Taxa de distorção idade – série no ensino médio (19%)

Reportagem: Raphael Luna

Foto: Ivair Oliveira

  

Comentários