fbpx

Serviços de Saúde de Mogi Mirim estão preparados para H1N1

Os serviços de saúde de Mogi Mirim estão preparados para lidar com a síndrome aguda respiratória grave por influenza A, conhecida como H1N1, que vem preocupando todos os brasileiros. Já são inúmeros casos no Brasil e o Estado de São Paulo lidera o ranking de casos confirmados. Embora haja suspeitas, a Secretaria de Saúde ainda não possui confirmações para a doença no âmbito municipal. A melhor forma de se prevenir é o cuidado com a saúde.

Mesmo assim, o órgão vem realizando orientações para os serviços de saúde do Município para que os profissionais da rede estejam atentos para os casos suspeitos. O Município já disponibiliza a medicação específica para os casos em que há indicação de uso, além de colher e enviar exames de pacientes graves, que estão internados.

A equipe técnica já iniciou a organização da Campanha de Vacinação que iniciará no final do mês, em 30 de Abril. Nas escolas municipais de Mogi Mirim, os alunos poderão utilizar os frascos de álcool em gel adquiridos pela Prefeitura que serão distribuídos nos próximos dias nas unidades. São 2,5 mil frascos no total, previstos para durar dois meses.

De acordo com o Ministério da Saúde, até o momento foram registrados 444 casos de H1N1 em todo o Brasil, sendo 71 mortes. O maior número de casos foi registrado em São Paulo, com 55 óbitos. Os casos já são três vezes maior se comparado ao mesmo período de 2015, quando foram registradas 36 mortes por H1N1 no país.


Essa gripe é contagiosa e começa de repente, provocando febre alta, dores musculares, dores de cabeça, sintomas respiratórios como tosse e coriza, mal-estar geral e, em algumas pessoas, vômitos e diarreia. A transmissão ocorre de pessoa para pessoa, por meio de partículas da tosse ou espirro e quando tocamos objetos contaminados com os vírus, colocando depois a mão na boca, olhos ou nariz.

Os sintomas podem aparecer do primeiro ao sétimo dia após o contágio e uma pessoa passa para outra a partir de 24 horas até o terceiro dia do início dos sintomas – mas em crianças esse período pode ser maior.

H1N1
  

Comentários