Valorização na Saúde deve acontecer em todos os momentos

Sofia Rodrigues do Nascimento

É difícil lembrar outra época em que os profissionais de saúde estiveram tão valorizados quanto agora. O que é justo. Há mais de um ano estes trabalhadores estão na linha de frente no combate a um inimigo invisível e mortal. E a população reconheceu a importância desse profissional, que atravessa dias e noites se dedicando arduamente para salvar vidas atacadas pela Covid-19.

São aplaudidos, chamados de heróis, anjos, recebem flores, carinho, agradecimentos emocionados e menções honrosas. E são gratos por esse reconhecimento. No entanto, a pressão psicológica e física tem sido enorme. E eles não são anjos ou super-heróis, ainda que deem importante contribuição para salvar vidas. E muitos, literalmente, deram suas vidas nessa batalha.

Dados do Conselho Federal de Medicina (CFM) e do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) mostram que cerca de 1.600 profissionais da saúde morreram por complicações de Covid-19 até maio deste ano. De acordo com Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde (até 12 de junho), no ano de 2021, 112.997 profissionais de saúde foram diagnosticados por Covid-19. As profissões mais afetadas foram de técnicos e auxiliares de enfermagem (29,5%), seguido dos enfermeiros (16,9%), médicos (10,6%) e agentes comunitários de saúde (5,3%).

A grave situação dos profissionais de saúde acendeu a luz vermelha no Comitê Internacional da Cruz Vermelha, que lançou uma nova fase da campanha ‘Valorize o Essencial’, de apoio e valorização dos profissionais. A ação busca destacar o aspecto humano e as histórias de quem está por trás das máscaras.

O Sindicato dos profissionais que trabalham em estabelecimentos de saúde de Campinas e Região (Sinsaúde) tem atuado arduamente para que esse grau de reconhecimento, emanado pelo cidadão que sabe da importância do trabalho de um profissional de saúde, chegue aos administradores de unidades de saúde e autoridades representativas nas esferas municipal, estadual e federal.

Não buscamos apenas um salário digno, que é de extrema importância para o trabalhador, mas também suporte, de equipamentos e insumos, de condições adequadas de trabalho e atenção para que esses profissionais se sintam valorizados, protegidos e continuem seu trabalho de cuidar e salvar vidas. É importante que a valorização gerada nesse momento de desespero capitalize em favor dos nossos trabalhadores e continue forte na memória da população brasileira.

No dia 5 de agosto, Dia Nacional da Saúde, nada mais justo que render essa homenagem aos profissionais da saúde. É importante lembrar que a data foi escolhida por ser o dia de nascimento, em 1872, do sanitarista Oswaldo da Cruz, importante personagem na história do combate e erradicação das epidemias da peste, febre amarela e varíola no Brasil, no começo do século XX.

Oswaldo da Cruz também foi responsável pela criação do Instituto Soroterápico Federal (atualmente conhecido como Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz) hoje um importante formulador da vacina que está salvando vidas, e da fundação da Academia Brasileira de Ciências.

Além de homenagear o sanitarista e cientista, a data tem o objetivo de conscientizar a sociedade brasileira sobre o valor da saúde e dos cuidados para com ela. Vamos aproveitar para incluir na lista a valorização permanente do profissional da saúde. Nada mais justo.

Sofia Rodrigues do Nascimento é presidente do Sinsaúde Campinas e Região, entidade que representa 80 mil profissionais da saúde.

  

Comentários